Heróico, Rogério Ceni comenta sobre pênalti convertido

A cada decisão, Rogério Ceni se torna mais importante para o São Paulo. Um dos responsáveis pelos títulos conquistados pelo clube em 2005, o goleiro voltou a brilhar, ao marcar, de pênalti, o gol da vitória por 2 a 1 sobre o Palmeiras, na quarta-feira, e classificar o time do Morumbi para as quartas-de-final da Libertadores.Faltam apenas três gols - tem 61 na carreira - para superar o paraguaio Chilavert e se tornar o maior goleiro artilheiro da história. ?Pela minha contagem, tenho dois gols a mais, mas a Fifa não reconhece e não vou recorrer?, disse. Porém, Rogério teve de ser mais frio do que nos outros 21 pênaltis que converteu ao longo da carreira. Foi obrigado a bater duas vezes o pênalti - a primeira cobrança, que o goleiro já festejava, foi invalidada pela arbitragem, por invasão.?Foi a caminhada mais longa da minha vida. Só vi que o gol tinha sido anulado quando já estava na minha área e tive de atravessar o gramado de novo?, comentou.A frieza também foi fundamental, pois um erro, nas circunstâncias do jogo - que já se encaminhava para o fim e estava empatado por 1 a 1 -, poderia significar a eliminação do time. ?Na primeira cobrança, dei a ?paradinha?, porque o Sérgio foi bem, ficou parado?, contou. ?Na segunda vez, mudei o jeito de cobrar, para não correr o risco de ele fazer a defesa.?Na opinião de Rogério, o triunfo sobre o Palmeiras vai fortalecer a equipe nas próximas fases da Libertadores, a exemplo do que ocorreu em 2005. ?Temos tudo para chegar à final mais uma vez?, opinou.VandalismoA diretoria do São Paulo prepara um dossiê sobre as depredações feitas pela torcida do Palmeiras, na quarta-feira. Os visitantes quebraram banheiros, catracas e cadeiras do Morumbi.?Por meio do Departamento Jurídico, encaminharemos fitas do nosso circuito interno de tevê, fotos e reportagens de jornal ao Ministério Público, que deve tomar as providências?, informou João Paulo de Jesus Lopes, diretor de Planejamento. O prejuízo está sendo contabilizado e deve ser coberto pelo seguro mantido pelo clube.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.