Fábio Motta/Estadão
Fábio Motta/Estadão

Heróis do Corinthians destacam a superação da equipe no hexa

Time teve por problemas na derrota no Paulista e na Libertadores

Estadão Conteúdo

20 de novembro de 2015 | 00h46

Os jogadores do Corinthians fizeram questão de destacar o poder de superação da equipe no meio do Campeonato Brasileiro para superar as eliminações do Campeonato Paulista e na Copa Libertadores e a saída de jogadores importantes e terminar o ano com a taça.

O meia Jadson é um dos símbolos dessa reviravolta do time alvinegro. O jogador iniciou a temporada como reserva (só ganhou a vaga no time após a saída do uruguaio Lodeiro para o Boca Juniors) e é hoje o artilheiro do Corinthians no Brasileirão ao lado de Vagner Love. Ambos balançaram as redes 13 vezes.

"Fomos crescendo no campeonato, mas foi merecido. Estou muito feliz de dar a volta por cima. O ano começou com desconfianças, pessoas desconfiando do meu futebol, mas sempre acreditei. É muito bom trabalhar com um grupo desse, uma comissão técnica transparente", disse.

Vagner Love agradeceu o apoio da família. "Pelo meu trabalho, não abaixei a cabeça. Sabia que teria coisas boas. Minha esposa, mãe do meu lado, me apoiaram. Esse título é para elas, os amores da minha vida".

Outro que termina o ano em alta é Renato Augusto. Depois das saídas de Emerson e Guerrero para o Flamengo, o meia assumiu o protagonismo da equipe. Praticamente todas as jogadas de meio passaram pelos seus pés. Livre das contusões, ele teve uma ótima sequência de bons jogos e chegou à seleção brasileira. Contra o Peru, na última terça-feira, por exemplo, foi titular do time de Dunga e marcou o segundo gol da vitória por 3 a 0. "Eu pensei que não jogaria mais em alto nível. Pensei que teria que procurar um mercado menos badalado. Mas consegui me recuperar aqui no Corinthians", disse.

Considerado culpado pela eliminação na Libertadores após falhar no primeiro jogo contra o Guaraní no Paraguai, o goleiro Cássio comemorou o fato de ser o goleiro menos vazado do Campeonato Brasileiro. Assim como Renato Augusto, a boa fase também levou o goleiro à seleção brasileira. "Quem é o melhor goleiro do Brasil? Sou eu. Apesar das falhas, levantei rápido e dei a volta por cima. Todos estão comigo", festejou.

Ralf, que completou 350 jogos, destacou a força do elenco mesmo nos momentos mais difíceis da temporada. "Nós merecemos, no decorrer da competição. Tivemos altos e baixos, não deixamos de trabalhar. Foi uma campanha maravilhosa". Pela sua trajetória no clube, o volante é o mais cotado para levantar a taça no domingo contra o São Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolBrasileirãoCorinthians

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.