Daniela Mascolo / Reuters
Daniela Mascolo / Reuters

Higuaín diz que Juventus o forçou a sair após contratação de Cristiano Ronaldo

Ainda assim, centroavante argentino diz não sentir raiva ou mágoa do clube de Turim

O Estado de S.Paulo

18 Outubro 2018 | 10h43

O atacante Higuaín revelou que a Juventus forçou sua saída após a chegada de Cristiano Ronaldo. Hoje no Milan, o argentino concedeu entrevista ao jornal italiano Gazzetta Dello Sport e falou que foi muito bem tratado no clube alvinegro, até a chegada do português.

"A decisão de sair não foi minha. Eu dei tudo pela Juventus, venci vários títulos, depois dos quais o Cristiano chegou. O clube queria dar um salto de qualidade e eles me falaram que eu não poderia ficar e estavam tentando achar uma solução. A melhor solução foi o Milan", afirmou Higuaín.

O argentino disse ter notado algo estranho na final da Copa da Itália 2017-18, quando foi reserva e entrou apenas nos minutos finais. "Aquele dia, eu tive um sentimento de que algo talvez algo estivesse quebrado. E então eles contrataram o Ronaldo", relatou Higuaín.

Ainda assim, o atacante afirma que não tem raiva do ex-clube. "O meu é um sentimento de afeição porque me trataram muito bem. Companheiros e torcedores me deram muito afeto. Mas eu não pedi para sair. Basicamente, eles me mandaram embora", contou.

Higuaín se juntou ao Milan por empréstimo em julho de 2018, após a contratação de Cristiano Ronaldo. Na época, também disse ter diferenças com o técnico da Juventus, Massimiliano Allegri, mas que não tinha deixado o clube por isso. No time de Turim, foi bicampeão do Campeonato Italiano e da Copa da Itália e marcou 55 gols em 105 jogos.

No Milan, já marcou seis gols em sete partidas disputadas. O contrato do atacante é válido por dois anos.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.