Hoje foi dia de festa palmeirense

Nada como um dia após o outro, ainda mais para os palmeirenses. Hoje, os torcedores são-paulinos tiveram de ouvir gozações e engolir a seco as previsões na véspera de uma nova goleada, ainda mais diante do rival Palmeiras. A derrota por 4 a 2, com gol antológico de Alex, é um daqueles jogos que serão lembrados por muito tempo. "Estava ouvindo pelo rádio e já estava 2 a 0 para o Verdão. Aí o locutor gritou que era um gol de Pelé. Pelé? Enlouqueci", confessou Alexandre Siqueira de Castro, de 30 anos. Ele e Gustavo do Amaral, de 27, sócios da empresa de telemarketing VHMS, comemoram a vitória palmeirense como se fosse a conquista de um título. Pudera, seus dois gerentes, os são-paulinos Orestes Silva Souza, de 29, e Marcelo Dias de Oliveira, de 32, passaram a quarta-feira só falando em goleada e foram ao estádio se sentindo favoritos. "No Morumbi quase não havia palmeirenses. Mas o gol do Alex desequilibrou a nossa torcida", afirmou Marcelo de Oliveira. Nesta quinta-feira, ele e Orestes Souza ganharam dois chapéus dos chefes. "Um presente para eles lembrarem sempre do jogo", brincou Gustavo do Amaral, que quer que o São Paulo dê uma placa para Alex. "Só vi o gol no estádio. Nem vou assistir à TV para não rever aquele gol", consolava-se Marcelo de Oliveira.

Agencia Estado,

21 Março 2002 | 19h33

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.