Holanda erra menos, vira e segue na Copa

Assim como em 1974, Laranja Mecânica tira Brasil de um Mundial nas quartas de final

LUIZ RAATZ - estadão.com.br

02 de julho de 2010 | 12h50

SÃO PAULO -Em um jogo entre seleções que não perdoam as falhas do adversário, ganhou quem errou menos. A Holanda tirou o Brasil da Copa com uma virada por 2 a 1 em Porto Elizabeth nesta sexta-feira, 2. Sneijder, o melhor em campo, marcou um gol e participou do outro.

Veja também:

mais imagens Imagens da queda do Brasil

especial CRONOLOGIA: Copa, dia a dia

Brasil e Holanda haviam se enfrentado três vezes em Mundiais. Em 1974, o time de Crüyff e Neeskens venceu o Brasil por 2 a 0. Em 1994 e 1998, vitória brasileira. Agora , os holandeses equilibraram a disputa. Pela primeira vez em 12 anos a Laranja Mecânica chega a uma semifinal da Copa e enfrentará o vencedor de Uruguai e Gana.

 

Foi a quinta vitória consecutiva da Holanda no Mundial. Ao lado da Argentina, é a única seleção que segue com aproveitamento de 100%.

 

Após três décadas sofrendo o estigma de amarelar no final, a Laranja Mecânica deu mostrar de que há algo diferente na equipe nesta Copa.

 

Com um futebol menos vistoso e mais pragmático do que o habitual do futebol holandês, o time de Bert van Marwijk apostou na habilidade de Sneijder e Robben, além da boa fase do goleiro Stekelemburg para segurar a seleção brasileira.

 

A virada holandesa foi mais um exemplo de como a equipe tem jogado na África do Sul. Paciente e cirúrgica, aproveitou os erros brasileiros para marcar. Com a vantagem, administrou a posse de bola.

 Holanda Holanda2
Stekelenburg; Van der Wiel , Heitinga , Ooijer  e Van Bronckhorst; De Jong , Van Bommel e Sneijder; Kuyt, Robben e Van Persie (Huntelaar)
Técnico: Bert van Marwijk
 Brasil Brasil1
Julio Cesar; Maicon, Lúcio, Juan e Michel Bastos  (Gilberto); Gilberto Silva, Felipe Melo , Daniel Alves e Kaká; Robinho e Luís Fabiano (Nilmar)
Técnico: Dunga
Gols: Robinho, aos 10 minutos do primeiro tempo; Felipe Melo (contra), aos 8, e Sneijder, aos 22 minutos do segundo tempo

Árbitro: Yuichi Nishimura (JAP)

Estádio: Nelson Mandela Bay, em Port Elizabeth

O JOGO.

O time holandês começou a partida tocando bem a bola e parando os ataques brasileiros com uma marcação forte. A temperatura subiu quando Robben e Van Bommel também sofreram faltas no meio campo. Robinho chegou a discutir rispidamente com os holandeses.

Quando atacada, a Holanda posicionava nove jogadores da intermediária para trás, apenas com Van Persie dando combate no campo de ataque.

No primeiro erro de saída de bola holandês, um contra-ataque brasileiro terminou em gol de Robinho, mas o bandeira assinalou impedimento.

No segundo erro holandês, Robinho recebeu belo lançamento de Felipe Melo e não perdoou. Era o primeiro gol sem ser de pênalti que a Holanda sofria no Mundial.

A Holanda respondeu com Kuyt, que recebeu belo passe de Van Persie na área e chutou, mas Júlio César defendeu.

O gol deixou os holandeses nervosos. Heitinga recebey cartão amarelo após falta sem bola em Luís Fabiano. Aos 17, Van Persie bateu falta de longe, para fora.

Robben era a principal ofensiva holandesa, mas era bem marcado pela defesa brasileira. Por vezes, três jogadores o impediam de executar sua jogada característica, de cortar da esquerda para o meio e bater no gol.

Bem marcado, Sneijder tinha de buscar jogo no campo de defesa e arriscar sem sucesso lançamentos para Robben e Van Persie. Não fosse duas belas defesas de Stekelenburg, em chutes de Kaká e Maicon, o placar poderia estar maior.

A VIRADA. No segundo tempo, a Holanda melhorou. Aos oito, Robben tocou para Sneijder na direita. O meia cruzou na área, a defesa brasileira não achou nada, Felipe Melo jogou contra o patrimônio e a bola entrou.

Após o gol, os holandeses passaram a controlar mais a posse de bola e a tocar com paciência.  Em um escanteio batido por Robben, Kuyt desviou e Sneijder fez o segundo.

O Brasil perdeu a cabeça. Felipe Melo foi expulso. A Holanda tocava a bola. E aproveitava o nervosismo brasileiro para administrar a vantagem. Foi assim até o final. Após duas eliminações em Copas para o Brasil, a Holanda igualou o placar.

 

 

 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.