Peter Dejong/AP
Peter Dejong/AP

Seleção holandesa joga sua sorte na Eurocopa contra a Turquia

Derrota pode ser fatal para as pretensões do time de Danny Blind

O Estado de S. Paulo

05 de setembro de 2015 | 22h00

Três dias depois de ter perdido em casa para a Islândia em casa na estreia do técnico Danny Blind, a Holanda volta a campo neste domingo para um jogo de vida ou morte em sua luta para ir à fase final da Eurocopa, que será disputada ano que vem em dez cidades francesas. O time enfrenta a Turquia fora de casa sabendo que uma derrota poderá ser fatal para suas pretensões.

A Holanda jogou a toalha na briga para ser uma das duas equipes da chave que se classificarão direto para a fase final, porque está muito atrás de Islândia e República Checa – tem 10 pontos, contra 18 e 16 das líderes, e faltam apenas três rodadas. Quer assegurar o terceiro lugar para ter a chance de disputar uma vaga na repescagem, mas o problema é que a Turquia está logo atrás com nove e aposta tudo no jogo deste domingo para assumir a terceira posição.

“Temos de ser realistas e saber que só nos resta lutar pelo terceiro lugar. Se conseguirmos quatro pontos nas próximas duas rodadas chegaremos ao último jogo dependendo apenas do nosso resultado”, disse Danny Blind.

Como o jogo seguinte, em outubro, será contra o lanterna Casaquistão, fica claro que nas contas do técnico holandês o empate será mais do que bem vindo. Blind não gostou nada do que viu na derrota para a Islândia por 1 a 0. Criticou abertamente o zagueiro Martins Indi por ter sido expulso no primeiro tempo e o lateral Van der Wiel por ter cometido o pênalti que foi transformado no gol islandês. 

E ainda viu seu melhor jogador sair machucado antes do intervalo. O atacante Robben, alçado por ele à condição de capitão do time, sofreu uma lesão muscular que o deixará um mês fora de combate. “Estamos vivendo um momento muito difícil, que comparo à escalada de uma montanha. É uma tarefa muito dura, mas eu, como comandante, tenho de estimular os jogadores o tempo todo para que eles acreditem em suas forças e não desistam”, afirmou.

O técnico turco Fatih Terim também tem motivos de sobra para esquentar a cabeça. As críticas ao seu trabalho, que têm sido duras desde o ano passado, foram intensificadas depois do frustrante empate em casa (1 a 1) com a Letônia na rodada passada. Caso tivesse vencido, a Turquia entraria na partida com a chance de abrir quatro pontos sobre a Holanda e deixar o terceiro lugar praticamente garantido. “Merecíamos ter ganho da Letônia. Tivemos umas dez chances para marcar, e eles empataram o jogo com um gol de pênalti nos acréscimos. Não foi justo”, avaliou.

O astro do time é o meia Arda Turan, que foi vendido pelo Atlético de Madrid para o Barcelona. Para ele, os jogadores da Turquia têm de lutar como se fosse o jogo de suas vidas. “Desperdiçamos uma bala contra a Letônia, não podemos desperdiçar outra contra a Holanda. Precisamos vencer de qualquer jeito.”

ITÁLIA

Com a classificação para a fase final da Eurocopa muito bem encaminhada e os jogadores ainda aquém da condição física ideal por estarem em começo de temporada, o técnico italiano Antonio Conte decidiu fazer sete mudanças na escalação da equipe que neste domingo enfrentará a Bulgária em Palermo pelo Grupo H. 

Em relação ao time que sofreu para ganhar de Malta por 1 a 0 em Florença no meio da semana ele mexerá nas laterais (entram Florenzi e De Sciglio), no meio-campo (os titulares serão De Rossi, Parolo e Soriano) e no ataque, onde Éder (brasileiro naturalizado italiano) será o único a ser mantido. Candreva e Zaza serão os substitutos de Gabbiadini e Pellè.

A meta é dar mais fôlego e velocidade à equipe, que está devendo futebol à torcida em 2015. Empatou com Bulgária e Croácia em jogos das Eliminatiórias da Eurocopa no primeiro semestre, empatou com a Inglaterra em amistoso e, também em amistoso, perdeu para Portugal. A vitória solitária contra Malta não serviu para melhorar a cotação do time, mas o treinador se defende. “Neste momento da competição o que conta é entrar em campo e conseguir os três pontos, e não jogar bonito.”

A Itália lidera o Grupo H com 15 pontos em sete partidas, seguida por Croácia (14), Noruega (13), Bulgária (oito), Azerbaijão (cinco) e Malta (um). Os outros jogos deste domingo serão os seguintes: Noruega x Croácia e Malta x Azerbaijão.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.