Holandeses se juntam em bares de Roterdã para ver jogo

Os holandeses são apaixonados por futebol. ?Fanáticos como os brasileiros, embora tenham recalque por nunca terem vencido uma Copa?, explica o brasileiro Luiz Felippe Lauand, de 31 anos, que conclui o curso de engenharia aeroespacial em Delft, perto de Roterdã.Chegaram perto duas vezes, com a ?laranja mecânica? - em 1974, perderam para a Alemanha e, em 1978, para a Argentina. Neste domingo, os holandeses de Roterdã se juntaram em bares e restaurantes para ver a vitória por 1 a 0, com gol da revelação Arjen Robben, contra a Sérvia e Montenegro.O sol forte, atípico para a primavera holandesa, roubou parte do público do futebol para os parques e passeios ao ar livre. A Vila da Regata, porto de parada da Volvo Ocean Race, esteve lotada no horário do jogo, mas todos de camisa laranja e chapéus, de todos os estilos, até de vaca... A Rainha Beatrix, conta Luiz Felippe, chegou a pedir na TV para que ninguém comprasse o chapéu nazista que folhetos promocionais ofereciam.De chapéu verde e laranja, distribuído por uma marca de cerveja, as loiras Marie-Louise Vlamirg, de 25 anos, torcedora do PSV Eindhoven, e Rosanne van Dwyuenucorde, de 23, do Feyenord, time de Roterdã, foram ver o jogo no De Dallentent, restaurante na beira do Rio Maas. ?Gosto de acompanhar futebol quando é época de Copa do Mundo?, afirmou Marie-Louise.As jovens confirmam a frustração por não ter um título e a rivalidade com a Alemanha, como Brasil e Argentina. Hitler bombardeou Roterdã, na Segunda Guerra Mundial, e um amigo de Luiz Felippe nem fala mais com o pai porque comprou uma fazenda na ?inimiga? Alemanha, rivalidade que se transporta para o futebol.?Tenho placa da Alemanha e a polícia do meu bairro chegou a sugerir que eu coloque uma bandeira do Brasil no carro para não ser mais parado?, comenta Luiz Felippe, que aposta no país vestir laranja durante a Copa. ?São fanáticos. Sempre vejo os jogos com amigos holandeses na casa de Tijl Vandervoer, um deles.?O navegador do Brasil 1, Marcel Van Trieste, um velejador holandês que mora em Palma de Mallorca, na Espanha (veleja no Bribon, barco do rei Juan Carlos), confirma a paixão por futebol. ?Pena que toda vez que tem bons jogadores são exportados - o próprio Robben atua no Chelsea.? É torcedor da seleção holandesa e do ?espanhol Barcelona, que sempre tem holandeses, além do Ronaldinho Gaúcho?.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.