Paul Whitaker / Reuters
Paul Whitaker / Reuters

Homofobia já custou R$ 283 mil em multas ao Brasil nas Eliminatórias

Fifa volta a punir CBF por comportamento homofóbico da torcida

Jamil Chade, correspondente na Suíça, O Estado de S.Paulo

02 Outubro 2017 | 14h59

Pela quarta vez, a Fifa pune a CBF por cantos homofóbicos por parte dos torcedores brasileiros. No jogo entre Brasil e Equador, válido pelas Eliminatórias da Copa, dia dia 31 de agosto, as ofensas voltaram a ser ouvidas no estádio. A multa estipulada foi de US$ 10 mil, o equivalente a R$ 32 mil. O jogo foi realizado em Porto Alegre, na Arena Grêmio.  

No total, o Brasil já pagou em multas US$ 90 mil (R$  283 mil) para os cofres da Fifa, todos relacionados com o comportamento da torcida e cantos considerados ofensivos e homofóbicos. Não está descartada uma punição mais pesada. 

+ CBF opta por inédito transporte de helicóptero 'para evitar desgaste de atletas'

Desta vez, o Brasil não foi o único a ser multado. A Argentina terá de pagar US$ 65 mil por duas ocasiões de cantos homofóbicos, contra mais US$ 35 mil ao Chile. O Equador, pelo mesmo motivo, desembolsará mais US$ 20 mil (R$ 63 mil), enquanto o México pagará US$ 10 mil (R$ 32 mil) e o Panamá mais US$ 50 mil (R$ 157 mil). 

Além dos cantos homofóbicos, a CBF foi multada por realizar uma cerimônia antes da partida contra o Equador que não estava autorizada. No início do ano, a Conmebol chegou a tentar explicar para a Fifa que o comportamento da torcida era "cultural". A entidade rejeitou a explicação e alertou que continuaria a aplicar multas. Ainda assim, a Fifa reduziu as ameaças e possibilidade de fechar estádios no continente, obrigando as seleções a buscar novas sedes para suas partidas. 

Durante os Jogos das Eliminatórias, os problemas não se limitaram à América Latina. A Alemanha terá de pagar US$ 32 mil (R$ 100 mil) após seus torcedores entoarem cânticos de conotação nazista. O jogo era contra a República Checa.  O Irã ainda foi multado por realizar uma cerimônia religiosa antes de uma das partidas. Já a Romênia foi proibida de jogar uma partida no Estádio em Bucareste. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.