Vitor Silva / Botafogo
Vitor Silva / Botafogo

Honda questiona volta do Carioca: 'Estou louco em querer saber uma razão?'

Meia japonês do Botafogo chegou a comentar sobre o número de casos do novo coronavírus no Brasil

Redação, Estadão Conteúdo

17 de junho de 2020 | 21h00

A decisão da Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (Ferj) de retomar o Campeonato Carioca nesta quinta-feira com o confronto entre Bangu e Flamengo incomodou um dos mais conhecidos jogadores a atuar na competição: Keisuke Honda. O meia japonês do Botafogo questionou a volta da competição no momento em que o Brasil ainda tem muitos casos de coronavírus.

Ele enumerou, inclusive, o número de casos da doença relatados pelas fontes oficiais na última terça-feira. "16 de junho. Infecção: 34918 / Morte: 1282. Eu estou louco por querer saber uma razão lógica para reiniciarmos a liga?", escreveu Honda em uma mensagem publicada em inglês no seu perfil no Twitter. "Vocês têm certeza sobre iniciar o campeonato na próxima semana?", questionou o jogador de 34 anos em outra mensagem.

Contratado pelo Botafogo em fevereiro, Honda fez a sua estreia pelo time no empate por 1 a 1 com o Bangu, no último compromisso da equipe antes da paralisação da Taça Rio, o segundo turno do Campeonato Carioca, em função da pandemia do coronavírus. E o meia japonês marcou o gol da equipe na partida ao converter cobrança de pênalti.

O Botafogo, assim como o Fluminense, é contra a volta do Campeonato Carioca nesse momento e nem retomou os treinos presenciais para a retomada competição. O clube pretende acionar a justiça desportiva para questionar a tabela definida pela Ferj, pois defende que o torneio só tenha continuidade em julho, mas teve suas duas partidas finais na fase de classificação da Taça Rio marcadas para junho - dia 22, contra a Cabofriense, e dia 25, contra a Portuguesa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.