Honduras quer surpreender de novo Brasil

Honduras só entrará em campo esta noite para enfrentar o Brasil graças a um papelzinho. A equipe se classificou para a Copa Ouro ao ganhar no sorteio do Panamá, com quem se igualou em todos os critérios de desempate na repescagem da América Central. Como deu sorte, garantiu a classificação junto com a Martinica. O time desta terça-feira tem muito pouco daquele que despachou o Brasil na Copa América de 2001, na Colômbia, com uma vitória por 2 a 0 - um gol contra de Belletti e um de Saúl Martinez. Apenas o zagueiro Medina e os meio-campistas Turcios e Júlio César ?Rambo" León estiveram naquela partida. O meia Amado Guevara e o goleiro Noel Valladares, que eram dois destaques daquela equipe, foram afastados da seleção por terem tentado organizar uma rebelião para pedir um aumento no bicho de US$ 9 mil que a Federação ofereceu pela vaga conquistada na repescagem. O técnico era Ramón Maradiaga. O técnico Edwin Pavón assumiu o cargo em março com a missão de apagar o incêndio provocado pelo quarto lugar nas Eliminatórias para a Copa Ouro - Costa Rica, Guatemala e El Salvador ficaram com as três vagas. Ele fez uma revolução no elenco, mantendo apenas sete jogadores que integravam o grupo que era dirigido por Chelato Uclés. Mas Pavón se despedirá do cargo assim que terminar a Copa Ouro, passando a comandar a equipe Sub-23. Nesta segunda-feira, Pavón fez mistério. Dirigiu um treino pela manhã no campo do Cruz Azul e outro no final da tarde, no Estádio Azteca. Ambos foram a portas fechadas e nenhum jogador falou com a imprensa. A tendência é que ele escale três zagueiros, dois alas, quatro meio-campistas e deixe apenas Suazo - que joga no Cagliari e é a estrela do time - na frente. Depois de ver o jogo de domingo do Brasil, Pavón disse apenas que ficou muito impressionado com Robinho. E que acha possível conseguir eliminar brasileiros ou mexicanos. ?Podemos fazer história aqui." Os hondurenhos estão treinando há 18 dias para a competição. Nesse período, perderam em casa para El Salvador e depois fizeram três jogos na Colômbia como forma de preparação para enfrentar a altitude de 2.300 metros da capital mexicana. O time empatou com o Independiente Santa Fé e com o Once Caldas e bateu o Independiente Medellín - que foi eliminado pelo Santos nas semifinais da Copa Libertadores - por 4 a 3. ?Fomos melhorando a cada jogo e chegamos bem para a Copa Ouro. A chegada de Suazo foi muito importante para nós, porque é o nosso melhor atacante e vive um grande momento", disse o treinador no domingo.

Agencia Estado,

14 de julho de 2003 | 19h51

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.