Darko Bandic|AP
Darko Bandic|AP

Hooligans russos e barra bravas argentinos fazem pacto para a Copa

Torcedores dos dois países se encontraram em Buenos Aires e planejam enfrentar os ingleses no Mundial na Rússia

O Estado de S.Paulo

15 de fevereiro de 2018 | 16h46

Um convênio entre hooligans russos e barra bravas argentinos está chamando atenção das autoridades antes da Copa do Mundo. Torcedores dos dois países se encontraram em Buenos Aires para firmar um pacto, supostamente para poder enfrentar os hooligans ingleses no evento que começa em junho, em Moscou.

+ Presidente da Uefa critica árbitro de vídeo: 'Não estava na hora'

As informações são do site Infobae, que seguiu os passos do grupo de russos na capital da Argentina. O encontro reforça ainda mais a necessidade de o governo argentino de enviar para as autoridades russas uma lista com 670 nomes de torcedores que já provocaram distúrbios em estádios e que estão proibidos de ir ao Mundial.

"A lista apresenta todos aqueles torcedores que têm alguma restrição para frequentar estádios no nosso país. A esses barras a Rússia não dará o Fan ID (identificação do torcedor), que é o documento indispensável para entrar nas arenas", afirmou Guillermo Madero, secretário de Segurança em Espetáculos Futebolísticos da Nação.

A preocupação não é em vão porque nas últimas três edições da Copa do Mundo, muitos desses torcedores banidos conseguiram entrar nos estádios para apoiar a seleção argentina. No Brasil, Pablo Álvarez, conhecido como Bebote, não só conseguiu entrar no País como assistiu a algumas partidas da Argentina - em uma delas pintou o rosto com a bandeira da Suíça - até se identificado e deportado.

Em Buenos Aires, a presença dos russos com torcedores argentinos foi descoberta após alguns deles tentarem entrar na Bombonera com ingressos de associados. A polícia desconfiou e acabou autuando Anton Pshenichnyi, Grigorii Pomerantsev, Priit Poldsepp e Anatoli Eremenco pelo artigo 93 da lei de contravenção.

Antes, eles já tinha assistido a partidas ao lado de torcedores do Nueva Chicago, Vélez Sarsfield e San Lorenzo. O contato com a Barra La 12, do Boca Juniors, foi feito e isso já está causando uma apreensão. Até porque os argentinos seriam um combustível a mais na histórica relação conflituosa entre hooligans russos e ingleses, que tiveram uma grande briga na última Eurocopa, na França, em 2016.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.