Divulgação/Red Bull Bragantino
Divulgação/Red Bull Bragantino

Hospital erra 26 testes de coronavírus do Bragantino antes do jogo contra o Corinthians

Resultados positivos para a covid-19 tinham sido em nove jogadores, quatro integrantes da comissão técnica e 13 em demais funcionários do clube

Guilherme Amaro, O Estado de S.Paulo

31 de julho de 2020 | 19h22

O Red Bull Bragantino recebeu erradamente 26 resultados positivos de testes de coronavírus na última terça-feira, sendo nove jogadores (seis titulares), quatro integrantes da comissão técnica e 13 de demais funcionários. Todos foram afastados do clube, mas, na quinta-feira, horas antes da partida decisiva contra o Corinthians, o Hospital Albert Einstein informou que os exames, na verdade, tinham dado negativos.

O Bragantino informou o ocorrido para a Federação Paulista de Futebol (FPF), e uma reunião será realizada na sexta-feira entre a diretoria do clube, a FPF e o Einstein. O clube se vê prejudicado, já que os jogadores não puderam treinar na quarta-feira e só ficaram sabendo que poderiam atuar contra o Corinthians horas antes da partida no Morumbi. O Bragantino perdeu por 2 a 0 e foi eliminado nas quartas de final do Paulistão.

O Hospital Albert Einstein confirmou o equívoco por meio de nota oficial enviada ao Estadão. Procurado pela reportagem, o Red Bull Bragantino não quis comentar o caso. Até o momento, a FPF não se pronunciou sobre o ocorrido. A entidade tem um convênio com o hospital para a realização dos exames.

O erro preocupa também a Confederação Brasileira de Futebol (CBF), que padronizará os testes de coronavírus no Hospital Albert Einstein durante o Campeonato Brasileiro. A competição nacional terá início no dia 8 de agosto.

VEJA A NOTA DO EISTEIN

"O Einstein recebeu amostras de secreção nasofaríngea de atletas e membros da Comissão Técnica do Red Bull Bragantino para análise da presença da Sars-Cov2. As amostras tiveram resultado liberado no fim da tarde da última terça-feira, dia 28, sendo que algumas apresentaram resultado positivo.

Na quinta-feira, dia 30, o Red Bull Bragantino solicitou um novo teste destas amostras, que foram coletadas e processadas no mesmo dia. No novo processamento, estas amostras resultaram negativas.

Na análise dos processos internos, identificou-se um lote específico de reagentes importados (“primers”) com instabilidade de funcionamento, que foram provavelmente os responsáveis pelos resultados divergentes. 

A fabricante, uma empresa internacional, foi imediatamente notificada sobre a ocorrência e os lotes com desempenho atípico foram retirados da rotina de exames do laboratório do Hospital Israelita Albert Einstein."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.