Marko Djurica/Reuters
Marko Djurica/Reuters

Hotel em cidade-sede da Copa é esvaziado por ameaça de bomba

Segundo agência, 16 locais foram evacuados como parte de uma simulação em Rostov, onde mais cedo Croácia e Islândia jogaram

Jamil Chade, enviado especial / Moscou, O Estado de S.Paulo

26 Junho 2018 | 20h13

A polícia russa esvaziou um hotel na cidade de Rostov, uma das sedes da Copa do Mundo, na noite desta terça-feira, 26. O Topos Congress foi evacuado por causa de uma ameaça de bomba e todos os 210 hóspedes que estavam no local foram obrigados a deixar seus quartos. 

+ Croácia vence, confirma liderança do Grupo D e elimina a Islândia da Copa

+ Estado Islâmico ameaça cometer atentado na Copa da Rússia

+ Bombas da 2ª Guerra Mundial foram encontradas sob palco de jogo do Brasil

A agência de notícias Reuters informou ainda que 16 locais foram esvaziados em função de uma simulação. Segundo informaram funcionários do Topos Congress e testemunhas à agência, o local está na lista da Fifa de hotéis oficiais do Mundial da Rússia, mas nenhuma seleção estava hospedada lá no momento.

Ao menos uma viatura dos bombeiros estava do lado de fora do hotel, disse uma testemunha, e a polícia foi vista interrogando funcionários e hóspedes na rua. O Estado apurou que ambulâncias foram enviadas para a região do hotel, para preparar uma eventual operação de socorro. Cachorros farejadores foram deslocados para o hotel, na esperança de identificar se a ameaça era real. 

A Rússia, cada vez mais isolada no cenário mundial, está determinada em usar a Copa do Mundo para projetar uma imagem de estabilidade e força no país. Autoridades se comprometeram a sediar um evento seguro e quaisquer incidentes de segurança envolvendo torcedores ameaçariam os esforços russos.

 

A cidade de Rostov, porém, foi o local da partida entre Croácia e Islândia, nesta terça-feira. Situada a menos 70 quilômetros da fronteira com a Ucrânia, a cidade é vista como um potencial alvo de um ataque, diante de sua proximidade com um dos principais confrontos por territórios hoje na Europa.   

Por enquanto, nem a Fifa e nem o Comitê Organizador Local se pronunciaram sobre o incidente. / COM INFORMAÇÕES DA REUTERS

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.