Divulgação
Divulgação

Huracán recusa primeira oferta do Corinthians por Defederico

Presidente do clube quer mais dinheiro para liberar o jogador argentino para a equipe alvinegra já em agosto

Alex Sabino, Jornal da Tarde

14 de agosto de 2009 | 19h28

O presidente do Huracán, Carlos Babington, vai jogar duro para tentar segurar Matías Defederico. Ele recusou a primeira oferta de US$ 3,5 milhões (R$ 6,4 milhões) feita pelos empresários que tentam comprar o jogador para levá-lo ao futebol brasileiro. A recusa do dirigente foi informada pela agência de notícias DyN. Para comprar o meia o Corinthians vai ter de subir a oferta.

Veja também:

linkCorinthians está perto de acerto com revelação argentina

linkRonaldo ainda vê Corinthians na disputa pelo título

especialMASCOTES - Baixe o papel de parede do seu time

especialVisite o canal especial do Brasileirão

Brasileirão 2009 - lista Tabela | tabela Classificação

especialDê seu palpite no Bolão Vip do Limão

A intenção inicial do Huracán era ficar com o jovem de 20 anos pelo menos até o final do ano. Em janeiro ele iria para o Parque São Jorge. O Corinthians deseja contar com Defederico agora; o jogador também ao dizer que seria "bom para carreira jogar ao lado de Ronaldo".

O próprio atleta já falava ontem como reforço do Corinthians. "Pelo que falei com meus empresários está tudo bem [o negócio]. Jogar no Corinthians será lindo. Sei que sua torcida é muito grande e que Carlitos [Tevez] fez muito sucesso no clube. Oxalá eu tenha o mesmo sucesso", disse, citando Tevez, campeão brasileiro em 2005 e hoje no Manchester City.

A notícia pegou a diretoria corintiana de surpresa. Mario Gobbi, diretor de futebol, entrou imediatamente em contato com Walter Martinho, um dos sócios da agência que intermediava a transação. "O negócio está de pé. Estamos conversando com a diretoria do Huracán", disse Martinho.

A intenção do Corinthians é comprar 80% dos direitos sobre Defederico."É um jogador que é unanimidade entre todos os observadores do futebol sul-americano. Está tudo muito bem encaminhado", garantiu Mano Menezes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.