Robson Fernandes/ Estadão
Robson Fernandes/ Estadão

Hoje em risco, patrocínios 'salvam' clubes há mais de três décadas

Ao longo dos últimos anos, empresas têm utilizado o futebol para se destacar no Brasil; algumas tiveram retorno extraordinário com as parcerias

Wilson Baldini Jr., O Estado de S.Paulo

15 de junho de 2020 | 07h00

É impossível pensar em um grande time de futebol na atualidade sem que haja um grande patrocinador estampado em sua camisa. Por isso, existe o temor que a pandemia do novo coronavírus afete o departamento de marketing das empresas a ponto de elas reverem, ou retirarem, o investimento no futebol. No Brasil, a apreensão é grande. Corinthians, Botafogo, Fluminense e Vasco, entre outros, já perderam parceiros menores.  O medo maior é que a crise atinja os patrocinadores masters, aqueles que despajam mais dinheiro dos cofres do clubes. Mas também há algumas boas notícias.

 O Flamengo, maior time sul-americano do momento, é o protagonista da melhor delas no momento. O clube está prestes a divulgar um acordo com as Lojas Americanas, uma das maiores lojas de departamento do País, que vai depositar anualmente na conta do rubro-negro R$ 40 milhões. Tal valor, permitirá ao clube mais tranquilidade para manter o caro elenco que montou. No futebol atual, o patrocínio é fundamental no planejamento financeiro das agremiações.

Mas a história de parcerias no futebol nacional é antiga e muitas marcas tiveram retornos excepcionais. A primeira jogada de marketing no futebol é de 1948, quando a Fábrica de Tecidos Bangu estampou seu logo no uniforme do Bangu Atlético Clube, que tinha em seu elenco o craque Zizinho. Como o clube e a empresa tinham o mesmo nome, a Fifa, que não permitia esse tipo de negociação, não pôde punir as partes.

Em 1975, o Fluminense fez um amistoso contra o Bayern de Munique, no Maracanã, e usou a marca Mobral (Movimento Brasileiro de Alfabetização), um programa governamental que visava erradicar o analfabetismo em crianças, jovens e adultos no País. Não recebeu um centavo por isso.

O impulso para que os clubes do futebol brasileiro pudessem faturar com patrocínio veio na década de 1980. E nessas mais de três décadas, essa fonte de renda foi crescendo em importância.

Em 1982, quando a lei passou a permitir patrocínios em competições internacionais amistosas, o Internacional de Porto Alegre estampou na parte de trás de suas camisetas, acima do número, a marca do refrigerante Pepsi, que pagou dois milhões de cruzeiros. A renda da final do Campeonato Paulista daquele ano entre Corinthians e São Paulo foi de CR$ 50 milhões.

Em torneios nacionais, o primeiro time a ter um patrocinador foi o Democrata, de Governador Valadares, que recebeu CR$ 500 mil, também em 1982, para estampar a marca esportiva Equipe. O Ceará seguiu os mesmos passos e arrecadou CR$ 16 milhões por um contrato de quatro anos com a Associação Cearense de Cadernetas de Poupança.

Também em 1982, o Corinthians e São Paulo jogaram a final do Paulistão "patrocinados" por Bombril e Cofap, respectivamente.

Em 1987, a Copa União, o campeonato brasileiro daquela época, teve 10 dos 16 times participantes com o nome da Coca-Cola em suas camisas. Apenas Corinthians (Kalunga), Flamengo (Petrobras), Internacional (Aplub), Palmeiras (Agip), Santos (Suvinil) e São Paulo (BIC) ficaram de fora do monopólio. E a marca de refrigerante teve de trocar o vermelho pelo preto nos uniformes de Grêmio, Coritiba e Botafogo por causa dos rivais desses times. 

Mas foi na década de 90 que as marcas passaram a faturar alto por associarem seus nomes a grandes equipes. Em São Paulo, por exemplo, o banco IBF esteve junto do São Paulo em seu período mais vitorioso, quando da conquista do bicampeonato da Libertadores, Mundial entre outras taças.

A Parmalat também marcou época ao lado do Palmeiras, ganhador dois anos seguidos do Campeonato Paulista e do Brasileiro, em 1993 e 1994. "A Parmalat não foi um patrocinador do Palmeiras. A relação foi de parceria, pois a Parmalat agia na gestão do clube", disse José Carlos Brunoro, gestor do projeto Palmeiras-Parmalat. "Como os resultados dentro de campo foram extraordinários, houve uma visibilidade muito grande e causou uma credibilidade que aumentou muito as vendas."

Segundo Brunoro, atual consultor das categorias de base do Fortaleza e do projeto CEARF, em Lima, no Peru, a única desvantagem, "que era mínima", era o fato de fanáticos dos outros times rivais não comprarem os produtos da Parmalat. "Mas isso era 0,001% das pessoas."

Outra marca que teve seu nome muito ligado a um clube foi a Kalunga, empresa de materiais de papelaria e artigos informática, com o Corinthians. Muitos dos gols do lendário Marcelinho Carioca foram festejados com aquele logo. 

Em 2001, em uma grande jogada de marketing, o Vasco, então dirigido pelo presidente Eurico Miranda, entrou no Maracanã para jogar a final da Copa João Havelange, de 2000, diante do São Caetano, com a marca do SBT, canal rival da Globo, dona dos direitos exclusivos de transmissão da partida.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.