Íbis acerta parceria com Hertha

O Íbis já não é mais o mesmo. O time que se orgulha de ser "o pior do mundo" agora resolve levantar vôo e faz parcerias internacionais. A primeira, já acertada, é com o Hertha Berlim, que quinta-feira apresentou Luizão como seu mais recente contratado. O clube pernambucano terá como reforço três jogadores do ?co-irmão? alemão. O trio estréia em agosto.A nova etapa na vida do time pernambucano, que em 15 de novembro completa 64 anos de muitas derrotas, foi anunciada com orgulho pelo presidente Carlos Alberto Pinto de Carvalho. O dirigente disse que o intercâmbio com o Hertha Berlim faz parte de "ambicioso projeto". Se der certo, deve ser estendido brevemente a um time da Bélgica, por enquanto mantido em sigilo.Os estrangeiros que vêm do país vice-campeão do mundo são o zagueiro-central Christian Muller, o lateral-esquerdo Felix Klump e o meia Thorsten Brandes. Os três seriam apenas o primeiro sinal do início de uma reviravolta no Íbis. Em pouco tempo, o time passaria de saco de pancadas juramentado e com direito a inscrição no Livro dos Recordes a clube respeitado e forte. Uma espécie de ?São Caetano do Nordeste?, se tudo sair como espera Carlos Alberto Pinto de Carvalho.Se o crescimento se consolidar, o Íbis deixará pra trás proezas conquistadas a duras penas, com surras famosas, milhares de gols sofridos e infindáveis derrotas. Marcas como a do goleiro Jagunço ficarão como lembranças de um tempo "mais romântico" do time. O número 1 titular da equipe apanhou 366 vezes a bola dentro de suas redes nos anos 70. Eudes, seu sucessor, levou 120 em apenas duas temporadas. Recordes que dificilmente serão superados.O Íbis computava, em suas estatísticas atualizadas até o ano passado, 120 gols marcados em campeonatos oficiais. Em contrapartida, a defesa havia levado 3.700. Um de seus atacantes mais famosos foi Mauro Shampoo, centroavante raçudo e dedicado, que por dez anos honrou a camisa do clube e fez... um gol.Há outros aspectos que enchem de satisfação os torcedores do "velho" Íbis, calculados, por alto, em torno de 1.000 pessoas. Ainda em 2001, por exemplo, apenas quatro fãs assistiram à derrota por 4 a 1 para o Internacional. Nova marca histórica. Em 1998, a diretoria convidou os juvenis do Santa Cruz para a festa dos 60 anos. Seria uma forma de obter vitória, já que os rivais eram adolescentes inexperientes. A meninada desrespeitou os anfitriões e venceu por 6 a 2. Mas isso pode ficar apenas no passado, se vingar a idéia do Íbis internacional.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.