Ibrahimovich cogita deixar a Inter de Milão

A conquista do tetracampeonato italiano é quase uma certeza para a Inter de Milão, que lidera com sete pontos de vantagem sobre a Juventus a nove rodadas do final do campeonato. Mas a possibilidade do atacante sueco Ibrahimovic deixar o clube na próxima temporada aflige o torcedor.

AE, Agencia Estado

23 de março de 2009 | 19h28

Ibrahimovic tem contrato com a Internazionale até 2013, com um salário de 12 milhões de euros anuais. Mas parece disposto a mudar de ares por causa de seu desejo de ganhar a Liga dos Campeões, competição em que o time fracassou nos últimos anos.

Ele ficou arrasado com a eliminação para o Manchester United nas oitavas-de-final da Liga dos Campeões deste ano. E, desde então, tem dado sinais de que está cansado da Inter. Domingo, depois de fazer dois gols na vitória por 3 a 0 sobre a Reggina, pelo Campeonato Italiano, Ibrahimovic avisou: "Primeiro vou ganhar o título, depois vou decidir o meu futuro."

O que se comenta no clube italiano é que Ibrahimovic gostaria de se transferir para o Barcelona, mesmo sabendo que lá não receberá o mesmo salário que a Inter lhe paga e que teria de ser coadjuvante do argentino Messi. O presidente do time de Milão, Massimo Moratti, quer manter o sueco no elenco, mas já deixou claro que aceitará negociá-lo. "Todo jogador tem um preço. Se Ibrahimovic quiser mesmo ir embora, colocaremos um preço nele", explicou.

Moratti toma cuidado na escolha das palavras, mas não consegue disfarçar a decepção com a atitude do atacante sueco. "É muito difícil um jogador ir para um clube com a certeza de que ali ganhará a Liga dos Campeões. Pode ser que Ibrahimovic saia e no ano seguinte conquistemos o título. E pode ser que ele saia e nunca consiga ser campeão. Muitas vezes a pessoa se arrepende de uma decisão", afirmou o dirigente.

Enquanto isso, o técnico José Mourinho afirmou que espera convencer o sueco a continuar na Inter. E lembrou que viveu uma situação parecida quando dirigia o Porto. "Em 2003, o Deco queria ir embora. Mas acabou ficando e na temporada seguinte ganhamos a Liga dos Campeões", contou o português.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.