Heuler Andrey
Alex comemora gol pelo Coritiba Heuler Andrey

Ídolo de quatro clubes, Alex se despede do futebol

Craque faz terapia para conviver com o fim de uma carreira de 19 anos na qual se tornou ídolo do Coritiba, Palmeiras, Cruzeiro e Fenerbahçe

Diego Salgado e Gonçalo Junior, O Estado de S.Paulo

06 de dezembro de 2014 | 17h00

Existem duas dimensões na aposentadoria de Alex. A primeira tem relação com a História do futebol brasileiro, com h maiúsculo mesmo. Depois de 19 anos, período no qual se tornou ídolo de três clubes brasileiros (Coritiba, Cruzeiro e Palmeiras) e venerado na Turquia, Alex encerra uma carreira ímpar. Só para citar um número: seus 422 gols garantem a medalha de bronze no ranking dos meias/artilheiros, só perdendo para Zico e Pelé. A segunda dimensão marca o reencontro do herói com o menino pobre, tímido, magro e cabeçudo que ele era aos 17 anos nas ruas sem asfalto e sem esgoto de Colombo, na Grande Curitiba. Nessa época, era só Pachequinho.

Para promover esse reencontro, o jogador de 37 anos escolheu encerrar a carreira no clube em que tudo começou. Ele sabia que não conquistaria títulos – o Coritiba só escapou do rebaixamento na semana passada. “Foi uma escolha emocional, zero de razão”, reconhece. “O Alex não poderia encerrar a carreira rebaixado. Firmamos um compromisso para que o último jogo fosse de festa. E vai ser”, afirma o técnico Marquinhos Santos, que prevê momentos de instabilidade no time a partir do ano que vem por causa da saída do craque. 

Acir Cortês, o Sisico, primeiro treinador de Alex, conheceu o Pachequinho e o Alex. “Ele não mudou. Sempre fala comigo. Se o Couto Pereira tiver 100 lugares vagos, ele vai escolher um perto de mim”, orgulha-se o segundo funcionário mais antigo do clube. 


Para Alex, não está sendo fácil parar. Quando ele falou com a reportagem do Estado, estava voltando de uma das sessões de terapia. “Estou bem. Acho que vou continuar assim nas férias. O problema vai ser em 2015, quando eu não tiver que me reapresentar”, revela. 

A professora Katia Rubio, especialista em Psicologia do Esporte e autora do livro O atleta e o mito do herói, pinta um quadro com cores fortes da angústia do craque. “Ao longo da vida os jogadores são entidades endeusadas, por isso a hora de parar é tão dolorosa.” Alex não parece muito preocupado com essa idolatria. Prefere ser lembrado como um jogador que respeitou os adversários e os torcedores e soube entender as características de cada clube em que jogou. Simples assim. “Um grande motivo de satisfação da minha carreira foi ter jogado com os grandes da minha geração. Por cinco minutos ou vários jogos, fui parceiro deles”, orgulha-se.

Diante do desafio de enumerar os melhores momentos dessa carreira, ele fala do infantil do Coritiba, das vitórias no Palmeiras, da campanha extraordinária com o Cruzeiro em 2003, do aprendizado na Turquia e do retorno ao Coritiba. Ou seja, a carreira inteira. Mas é bom seguir o conselho do técnico Paulo César Carpegiani, que alçou o garoto mirrado da base para os profissionais em 1995. “Quando o Alex fala, a gente presta atenção”.

Alex não é um jogador de frases feitas. Desde "O mundo de Sofia", primeiro livro que leu na vida e que conta a história da filosofia de uma maneira acessível ao grande público, o jogador devora os livros na concentração. Vê telejornais e gosta de falar sobre política e cultura. É um dos principais porta-vozes do Bom Senso, movimento que busca melhorias nas condições de trabalho dos jogadores brasileiros. 

Em 2012, o Fenerbahçe, clube turco pelo qual atuou oito anos, inaugurou uma estátua em sua homenagem. Alex chorou quando se viu imortalizado em bronze no centro de Istambul. “O que fiz para isso? Ela é para vocês, todos vocês”, disse, emocionado, para os turcos ensandecidos. 

A resposta é simples. Entre tantos títulos e gols, Alex se tornou o segundo maior artilheiro do Fenerbahçe na Liga Turca com 136 gols e ganhou o campeonato em três temporadas. Pode ser considerado o melhor estrangeiro da história do futebol turco. Depois de problemas de relacionamento com o técnico Aykut Kocaman, sua saída foi emblemática: centenas de pessoas fizeram uma vigília na frente da sua casa. 

Alex, claro, não é perfeito. Teve passagens bem discreta pelo Flamengo, onde não conseguiu superar o conturbado momento político do clube. No mesmo período, não emplacou no Parma, da Itália. Fez apenas cinco jogos e anotou três gols. Nos dois clubes, não deixou saudades. A principal lacuna de sua carreira é a Copa de 2002. Apesar dos bons momentos pela seleção, como na conquista da Copa América em 1999, e de ter sido importante nas Eliminatórias, foi preterido por Felipão na formação do time pentacampeão. 

Sisico acha que foi injustiça. Hoje, no Couto Pereira, estará emocionado diante do grande feito de sua vida. O nome Sisico lembra Sísifo (com “f”), aquele herói grego que tinha de rolar uma pedra até o cume da montanha, mas, no final da jornada, a pedra voltava para o começo. Trata-se de uma alegoria para os trabalhos sem fim, que nem sempre dão certo. Com Alex, Sisico conseguiu colocar sua pedra no alto da montanha do futebol brasileiro. 

Tudo o que sabemos sobre:
FutebolBrasileirãoCoritibaAlex

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Ademir da Guia: 'Nossa técnica era idêntica mas o estilo diferente'

<strong>O Alex foi o seu melhor sucessor com a camisa dez do Palmeiras? </strong>

Diego Salgado, Gonçalo Junior, O Estado de S. Paulo

06 de dezembro de 2014 | 17h37

Foi um dos melhores. O Djalminha também fez sucesso. Acho que os dois foram importantes, marcaram uma época, conquistaram títulos e me sucederam bem no Palmeiras.

Dá para comparar o estilo de jogo do Alex com o seu?

Sim. Nossa técnica era idêntica, mas o estilo de jogo era diferente. O Alex lança, chuta forte e faz gols de fora da área. Ele também é especialista em cobranças de falta e praticamente não erra passes. Eu conduzia mais a bola e costumava finalizar de dentro da área. Mas o Alex fez mais gols. 

Talvez seja a marcação. Na minha época, eu jogava ao lado do Dudu e tinha a obrigação de marcar, além de criar. Se o Alex tiver de acompanhar os volantes, talvez ele tenha dificuldade. Os técnicos, no entanto, já sabem a qualidade dele e o escalam mais adiantado, para dar o passe para os atacantes. Ele praticamente não tem a obrigação de marcar e pode render mais.

4.Os títulos também são uma medida importante para o sucesso?

Para disputar e conquistar títulos, é preciso um bom time. Nenhum jogador ganha um título sozinho. O Alex teve a chance de jogar com grandes atletas e isso também ajudou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.