Andres Stapff/Reuters
Andres Stapff/Reuters

Ídolo do futebol colombiano é a aposta da Venezuela nos bastidores da Copa América

Campeão do torneio, Francisco Maturana atua como assessor técnico da equipe durante a competição

Ciro Campos, enviado especial a Salvador, O Estado de S. Paulo

18 de junho de 2019 | 11h00

A Venezuela trouxe para a Copa América um reforço para os bastidores da seleção que pretende surpreender o Brasil nesta terça-feira, em Salvador. A federação do país resolveu contratar como assessor técnico o ex-treinador colombiano Francisco "Pacho" Maturana, referência nacional pelos títulos e agora uma voz importante no trabalho de fazer o futebol venezuelano evoluir.

"A chegada de Maturana é muito valiosa. Ele sabe como se sente como campeão da Copa América, como alguém que disputou Copa do Mundo. Ele nos traz informações e experiência", elogiou o técnico da Venezuela, Rafael Dudamel. Maturana tem 70 anos e durante mais de três décadas trabalhou com treinador e conquistou dois títulos de maior destaque: a Copa Libertadores de 1989, pelo Atlético Nacional, e a Copa América de 2001, pela seleção colombiana.

Ex-zagueiro, Maturana também desempenhou outra profissão na carreira fora do futebol. O colombiano atuou como dentista por 14 anos antes de voltar a se dedicar exclusivamente ao esporte. Como treinador, levou o país a se classificar às Copas de 1990 e 1994, fora montar o time que conquistou a histórica vitória por 5 a 0 sobre a Argentina, em 1993, em Buenos Aires, pelas Eliminatórias da Copa.

Maturana trabalhou como técnico em seis edições de Copa América, quatro delas pela Colômbia e duas com o Equador. A última passagem como treinador foi em 2017, pelo Once Caldas, clube onde começou a carreira 30 anos antes. O assessor técnico e o atual treinador da Venezuela se conhecem há mais de 20 anos, desde quando eram adversários dentro do Campeonato Colombiano, com Dudamel ainda em atividade como goleiro.

Depois de enfrentar o Peru na estreia e empatar sem gols, a Venezuela tem como compromissos nesta Copa América o Brasil, em Salvador. Logo depois a equipe viaja para Belo Horizonte, onde no sábado joga no Mineirão contra a Bolívia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.