Ídolos temem pelo rebaixamento do Corinthians no Brasileirão

Paulo Sérgio e Viola contam que os jogadores precisam demonstrar raça para o clube sair da situação ruim

Alan Rafael Villaverde, do estadao.com.br,

24 de outubro de 2007 | 09h18

Com 38 pontos em 32 jogos e com o segundo pior ataque, o Corinthians tem um árduo caminho pela frente para escapar do rebaixamento do Brasileirão, e dois ídolos da equipe, justamente atacantes, Paulo Sérgio e Viola, se mostraram preocupados com o futuro do clube de onde começaram suas respectivas carreiras.Veja também: Nelsinho escala Dentinho e Finazzi no ataque do CorinthiansPara Paulo Sérgio, o Corinthians tem que vencer quatro dos seis jogos que restam, chegando aos 50 pontos e, assim, escapando de qualquer risco de rebaixamento. "Agora não tem essa de pensar que o jogo diante do Goiás [que está três pontos acima na tabela] será o decisivo, pois todos os jogos serão uma decisão para a equipe", disse o ex-corintiano. A esperança, no entanto, existe, e Paulo Sérgio descreveu uma experiência própria para elucidar a situação vivida pelo Corinthians. "Eu passei por algo parecido com o Bayer Leverkusen [temporada 1995-96]. Conseguimos escapar do rebaixamento somente na última partida, mas o problema não era o elenco, pois a base foi mantida e, na temporada seguinte, conquistamos o vice-campeonato", comentou o jogador, que tem a receita para o Corinthians reverter a situação. "Agora é pensar somente em vencer, deixar de lado todos os problemas possíveis e jogar com muita raça. " Já o experiente Viola, que diz que pretende voltar a jogar em 2008, tenta manter a esperança, mas seu semblante mudou assim que a pergunta sobre a situação do Corinthians veio à tona. "Temos que ter uma mentalidade positiva e esperança, mas é bom lembrar que a esperança morre, também. " Viola, que teve passagens marcantes pelo clube, acredita que o problema da equipe corintiana é sua formação. "O Corinthians sempre foi montado por jogadores que vieram do terrão e de alguns atletas experientes, mas hoje não se vê isto no clube. Temos apenas o Finazzi e o Vampeta, que ficou treinando por uns seis meses e, quando viram que a coisa estava ficando ruim, colocaram ele para jogar", disse o atacante, que sentenciou: "Judiaram muito do Corinthians e alguns empresários têm culpa nisto, mas agora tem que jogar com o time que tem e pronto."

Tudo o que sabemos sobre:
CorinthiansPaulo SérgioViola

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.