Bruno Cantini/Atlético-MG
Bruno Cantini/Atlético-MG

Igor Rabello critica oscilação atleticana e pede time agressivo em casa

Atlético-MG enfrenta a Chapecoense na quarta-feira, no Independência, pelo Brasileirão

Redação, Estadão Conteúdo

28 de outubro de 2019 | 19h08

Nos próximos cinco jogos, o Atlético-MG vai enfrentar quatro times que hoje lutam contra o rebaixamento no Campeonato Brasileiro. Dois deles no Estádio Independência, em Belo Horizonte. Para o zagueiro Igor Rabello, trata-se do momento certo para o time saber usufruir o fato de atuar como mandante, recuperar as boas atuações e melhorar na classificação. Nesta quarta-feira, a equipe alvinegra terá pela frente a Chapecoense, às 19h30, em casa, pela 29ª rodada da competição nacional.

"Quando eu jogava contra (o Atlético) no Independência era muito difícil ganhar. Pensava: 'Pô, complicado ganhar, pelo menos um empate no Independência'. Acho que nunca consegui (empatar). Sempre saí derrotado. O Atlético é um time muito agressivo, assim como foi contra o Santos. Acho que temos que recuperar isso no Independência e fora do Independência. O Atlético tem esse espírito, e temos que retomar esse espírito pra sair com as vitórias", afirmou o zagueiro, que veio do Botafogo, em entrevista coletiva nesta segunda-feira.

Apesar da confiança para os próximo duelos, Igor Rabello prevê jogos duros, que não vão permitir para o time oscilar como ocorreu na derrota para o São Paulo, após a vitória sobre o Santos. "Parece até um mata-mata. Todo mundo perto um do outro. Jogos de vida ou morte. É sempre buscar a vitória. Se não der pra ganhar, não perder. É buscar pontos. Temos que pontuar pra sair dessa situação chata. A gente sabe que chega no fim do campeonato e as equipes que estão embaixo precisam ganhar de qualquer maneira. Sabemos da dificuldade que é. É estar focado como foi contra o Santos pra sair com o resultado positivo."

Contra a Chapecoense na quarta-feira, Igor Rabello não sabe qual será seu companheiro de zaga, mas são muitos os elogios para Leonardo Silva e Réver. "Os dois são ídolos, craques que eu sempre olhei de fora, quando eu estava em outro clube ou nem jogava profissionalmente. Os dois são exemplos e procuro aprender sempre com eles."

VICTOR

Afastado do time do Atlético-MG desde 17 de julho, por causa de uma tendinite no joelho esquerdo, o goleiro Victor participou normalmente do treino desta segunda-feira, na Cidade do Galo, quando inclusive esteve presente em uma atividade tática com nove jogadores em cada time, sem apresentar nenhuma limitação.

Em outras oportunidades, o atleta, de 36 anos, sentiu dores e teve de deixar o treinamento. Agora, a expectativa é saber como o goleiro vai reagir aos exercícios. Independentemente disso, o titular da meta atleticana contra a Chapecoense deverá continuar sendo Cleiton.

Outro que participou do treino, mas ainda não deve retornar ao time, é o volante Jair, que se recupera de um estiramento muscular na coxa direita. Com chuteiras, o jogador correu em volta do gramado.

Jair se machucou no primeiro tempo da partida de volta da semifinal da Copa Sul-Americana, contra o Colón-ARG, no dia 26 de setembro, no Mineirão. Seu retorno está previsto para meados de novembro.

Com 35 pontos, o Atlético-MG é o 12.º colocado. A Chapecoense não vence desde 18 de agosto, quando bateu o Avaí, em Chapecó, por 1 a 0. De lá para cá foram oito derrotas e cinco empates no Brasileirão, no qual amarga a penúltima posição, com 18 pontos, apenas um à frente do lanterna Avaí.

Depois do duelo desta quarta, o Atlético-MG terá pela frente o Fortaleza (fora), o Goiás (em casa), o Cruzeiro (com o arquirrival como mandante no Mineirão) e o Fluminense (fora) nas quatro rodadas seguintes do Brasileirão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.