Wilton Junior/Estadão - 28/07/2014
Wilton Junior/Estadão - 28/07/2014

Ilídio pede desculpas ao Fluminense e diz que tomou 'vinho forte'

Ex-presidente da Lusa acusou cariocas no caso Héverton

O Estado de S.Paulo

06 de outubro de 2015 | 17h43

O ex-presidente da Portuguesa, Ilídio Lico, foi à sede do Fluminense pedir desculpas por ter associado o nome do clube carioca a um suposto esquema na escalação irregular do meia Héverton em 2013. O caso culminou com o rebaixamento da Portuguesa à Série B do Campeonato Brasileiro naquele ano. Hoje, o clube está na Série C e tem possibilidades de retornar à Série B. 

"Pedi desculpas ao Peter. Queria dizer que falei uma bobagem. Não tinha nexo nenhum o que eu falei. Quem errou foi a Portuguesa, a diretoria anterior. O Fluminense aproveitou apenas o regulamento, só isso. Não houve irregularidade do Fluminense", afirmou o ex-presidente na tarde desta terça-feira. 

"Tinha almoçado, tomei um vinho meio forte. Acho que foi isso. Aí eu falei com uma pessoa e nunca pensei que ela publicaria aquilo. Me deu um branco e eu falei. Agradeço muito o presidente por ter me recebido, por ter dito que ia tirar a queixa contra mim", disse Ilídio Lico. 

Em junho, ao jornal Diário de São Paulo, Lico disse que a escalação irregular de Héverton havia sido premeditada com suposto pagamento de propina por parte da Unimed. A fonte de Ilídio Lico seria um senador, cujo nome ele não citou. Dias após, Ilídio Lico afirmou que havia sido "mal interpretado".

Com a perda de quatro pontos pela escalação irregular do meia Héverton, que estava suspenso, a Portuguesa caiu para a 17ª posição, com 44 pontos. Assim, o Fluminense (46 pontos) saiu da zona de rebaixamento e permaneceu na Série A. O Flamengo também perdeu quatro pontos por escalar irregularmente André Santos, continuou na elite, à frente da Lusa.


Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.