Andrea di Marco/ EFE
Andrea di Marco/ EFE

Imbatível na Liga, Juventus bate Sevilla; City vira na Alemanha

Velha Senhora vive realidade diferente do Campeonato Italiano

Estadão Conteúdo

30 de setembro de 2015 | 18h05

A Juventus de um campeonato é totalmente diferente de outro. Com péssima campanha no Campeonato Italiano - está apenas em 15º lugar na luta pelo penta inédito -, a equipe de Turim se transforma quando joga pela Liga dos Campeões da Europa. Nesta quarta-feira, a atual vice-campeã continental manteve os 100% de aproveitamento após duas rodadas ao bater o Sevilla por 2 a 0, na Arena Juventus, na Itália.

Com seis pontos, a Juventus lidera de forma isolada o Grupo D e vê os dois rivais que ganhou - Sevilla e Manchester City - dividindo a segunda colocação com três. Na Alemanha, o clube inglês derrotou de virada o lanterna Borussia Mönchengladbach (ainda sem pontuar) por 2 a 1 e se reabilitou da derrota em casa na estreia para os italianos.

Mostrando um futebol que não se vê no campeonato nacional, a Juventus comandou as ações de ataque desde o inicia da partida. Só nos primeiros 25 minutos foram nove chances de gol, contra nenhuma do Sevilla. Até o volante brasileiro Hernanes, recém-contratado e que fez a sua estreia em jogos da Liga dos Campeões na carreira, teve sua oportunidade.

Assim, o gol era questão de tempo e ele saiu ainda antes do intervalo. Aos 41 minutos, Barzagli cruzou pelo lado direito e o centroavante espanhol Morata pulou mais alto que a defesa rival para marcar de cabeça. Já são dois nesta Liga dos Campeões e o quinto seguido em partidas pela competição continental.

Na segunda etapa, mesmo com a vantagem, a Juventus não deu chances para o Sevilla. Criou mais chances, algumas desperdiçadas por Dybala, e confirmou a vitória aos 41 minutos em um rápido contra-ataque em que Dybala roubou a bola no meio de campo e tocou na frente para Simone Zaza, que tocou na saída do goleiro com perfeição no canto direito baixo.

Na Alemanha, o goleiro Joe Hart foi um dos heróis do Manchester City. Ainda no primeiro tempo, aos 20 minutos, defendeu um pênalti cobrado pelo brasileiro Raffael. Depois, fez várias defesas e só não conseguiu evitar o gol de Lars Stindl, que abriu o placar para o Borussia Mönchengladbach aos 9 da segunda etapa.

O resultado deixaria o Manchester City em uma posição muito delicada na Liga dos Campeões, mas a virada veio na base da raça. O empate chegou com o argentino Otamedi, que aproveitou rebote em finalização do compatriota Demichelis, após escanteio, aos 20 minutos. E a vitória saiu em pênalti cobrado por Sergio Agüero, aos 45.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.