Imerso em dívidas, América de Cali é proibido de inscrever novos jogadores

BOGOTÁ - Uma das equipes mais vitoriosas da Colômbia, o América de Cali, não poderá inscrever novos jogadores no Torneio Apertura local deste ano por acumular 850 milhões de pesos (R$ 766 mil) em dívidas com a seguridade social e salários de jogadores.

Efe

25 de janeiro de 2011 | 17h28

O clube havia enviado uma proposta à Divisão Principal do Futebol Profissional Colombiano (Dimayor, na sigla em espanhol) para parcelar o valor total e, desta maneira, poder inscrever jogadores, mas a Comissão Disciplinar da entidade que dirige o futebol local não a aceitou.

"Não se encontra dentro das minhas faculdades poder reverter a situação. O América não pagou suas dívidas e, até que não o faça, a Comissão Disciplinar simplesmente não suspenderá a sanção", afirmou nesta terça-feira o presidente da Dimayor, Ramón Jesurun.

Em situações parecidas estavam cinco outras equipes do futebol colombiano: Deportivo Pereira, Deportivo Pasto, Cortuluá, Juventud e Alianza Petrolera, mas o América foi o único que não quitou a dívida.

Por sua vez, o gerente do América, Miguel Martínez, disse que pretende conversar com a direção da Dimayor para chegar a um acordo nos próximos dias.

"O América vai pagar suas obrigações, o que acontece é que no momento não podemos fazer um pagamento completo dessa quantia porque não a temos. A proposta é ir abonando o valor aos poucos até completá-lo, e acreditamos que haverá uma solução positiva", explicou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.