Impasse no São Paulo fortalece oposição

O imbróglio envolvendo o novo patrocinador do São Paulo causou mal-estar no clube, deverá provocar a saída de um diretor e pode ter reflexo negativo na candidatura do presidente Marcelo Portugal Gouvêa, que busca a reeleição no pleito de abril. A oposição já avisou que vai explorar bastante o caso, pois acha que faltou habilidade à diretoria, e estuda o melhor meio para bombardear a atual cúpula tricolor.Dorival Decousseau, diretor de Marketing, ficou irritadíssimo com a atitude dos executivos da LG Eletronics de entrar na Justiça para tentar permanecer como patrocinadora da camisa. A empresa conseguiu liminar, que o São Paulo tenta cassar - segunda-feira pode sair nova decisão judicial. O clube quer fechar com a alemã Siemens, mas, antes, precisa se livrar dos coreanos.Decousseau avisou, durante a semana, que vai deixar seu cargo. Deve fazer, neste domingo, o anúncio a Gouvêa, que tentara demovê-lo da idéia. O presidente, por sinal, esperava passar férias tranqüilas com a família na DisneyWorld, na Flórida, Estados Unidos. Viajou pouco depois do Natal com quase tudo resolvido: os reforços contratados e o acordo com a Siemens definido. Não imaginava que os coreanos pudessem perturbá-lo. Foi obrigado, com isso, a manter contato telefônico, com freqüência, com seus colegas de diretoria. Sua chegada estava prevista para a noite deste sábado.Os rivais políticos vão usar o episódio para atacá-lo e tentar ganhar novos aliados. Márcio Aranha, ex-vice-presidente de Gouvêa, está migrando para a oposição, que deverá ter como candidato Paulo Amaral. Gouvêa rebate os que o criticam lembrando que classificou o time para a Libertadores, meta que seus antecessores não conseguiram alcançar.

Agencia Estado,

10 de janeiro de 2004 | 14h18

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.