Jonne Roriz/AE
Jonne Roriz/AE

Importância de Robinho cresce ainda mais na seleção

Antes de começar a Copa do Mundo, Robinho já era uma das principais referências da seleção montada por Dunga. Agora, com Kaká ainda longe da melhor forma e com Luís Fabiano vivendo um jejum de gols, seu papel cresce ainda mais dentro do time. E ele diz estar pronto para assumir essa responsabilidade e para ajudar o Brasil a conseguir mais uma vitória, neste domingo, diante da Costa do Marfim.

ANDRÉ CARDOSO, Agência Estado

19 de junho de 2010 | 18h05

Veja também:

lista Todas as notícias da seleção brasileira

blog BLOG - Seleção na Copa

especial CRONOLOGIA: Copa, dia a dia

tabela TABELA - Jogos | Classificação | Simulador

Na estreia contra a Coreia do Norte, na última terça-feira, Robinho foi um dos destaques da vitória brasileira por 2 a 1. Elogiado publicamente por Dunga, ele arriscou algumas jogadas de ataque, ajudou na marcação, deu um lindo passe para o gol de Elano e chegou até a jogar mais recuado, no meio de campo, depois que Kaká foi substituído pelo atacante Nilmar aos 32 minutos do segundo tempo.

A situação de Kaká, que vem fazendo um trabalho de recuperação e não deve aguentar novamente os 90 minutos do jogo, faz com que Robinho tenha que assumir outras funções dentro do time, como ajudar na armação das jogadas de ataque. "Não tenho problema de jogar em outra posição", avisou o atacante, que se coloca à disposição de Dunga, apesar de admitir que prefere mesmo jogar na frente.

Além disso, Robinho ganha maior importância diante da má fase do seu companheiro no ataque titular da seleção. Luís Fabiano já soma seis jogos sem marcar gols com a camisa do Brasil e está claramente incomodado com essa situação, o que tem lhe deixado ainda mais nervoso em campo - teve uma fraca atuação contra a Coreia do Norte e não consegue um bom aproveitamento nem nos treinamentos.

Nesse cenário, Robinho parece ser a maior aposta brasileira para vencer a Costa do Marfim neste domingo e garantir a vaga antecipada para as oitavas de final da Copa do Mundo na África do Sul. "Fico feliz com o protagonismo, mas a responsabilidade também é grande", admitiu o atacante, projetando uma evolução natural de seu futebol durante a competição. "Quero continuar sempre melhorando".

 

 

 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.