Imprensa argentina reage contra Quilmes

O comportamento racista da torcida do Quilmes está sendo alvo de intensas críticas da imprensa argentina. Para manifestar apoio ao zagueiro Desábato, que na semana passada ficou quase 40 horas preso no Brasil, os torcedores do clube levaram faixas ofensivas ao atacante Grafite, do São Paulo, no jogo contra o River Plate, domingo, pelo Campeonato Argentino.A torcida "cervecera" (cervejeira, apelido do Quilmes, por causa da famosa cerveja homônima) chamou Grafite de macaco em um cartaz colocado no estádio Monumental de Nuñez, em Buenos Aires, e também atacou o técnico do River, Leonardo Astrada. Dentro de campo, o time, sem Desábato, que estava suspenso, perdeu feio: 4 a 0.O tradicional e sóbrio jornal "La Nación", que evitou críticas diretas a Desábato durante a confusão no Brasil, não perdoou a manifestação da torcida do Quilmes. E usou a manchete "Com as bandeiras da intolerância", em referência às faixas colocadas pelos torcedores. Além daquela que tinha escrito ?Grafite macaco?, havia uma outra irônica, trocando a palavra ?negro? por ?branca de neve? no uniforme do São Paulo.Além das faixas, os quase 5 mil torcedores do Quilmes que foram ao Monumental de Nuñez entoaram o cântico "El que no salta es un negro de Brasil" (Aquele que não pula é um negro do Brasil).O racismo da torcida do Quilmes também esteve direcionado aos próprios argentinos. O técnico do River Plate, Leonardo Astrada, que entre seus amigos é chamado carinhosamente de "negro", por seus cabelos pretos, foi xingado de "negro de m..." pelos torcedores adversários.O jornal "Página 12", de linha progressista, mas que até agora havia dado pouco espaço ao assunto, destacou em uma manchete: "Para defender Desábato, os torcedores mostram sua pior face". Segundo o "Página 12", "longe de exibir uma postura de arrependimento, de reflexão ou algo similar, os torcedores quilmenhos mostraram sua pior cara racista".Até o jornal "Olé", famoso por ter costumeiramente posições anti-brasileiras - chegou a publicar a manchete ?Que venham os macacos? para um jogo da Argentina contra o Brasil -, foi crítico com o racismo do Quilmes.Na edição desta segunda-feira, colocou o título "Negro puro", em alusão carinhosa ao "Negro Astrada", cujo time ganhou de goleada.Notícias relacionadas ao caso: Desábato: "Não disse nada de racismo" Torcida do Quilmes reforça o racismo Desábato não fala. Colegas criticam Desábato embarca de volta para Argentina Passarella: Desábato não é delinqüente Juristas divergem sobre caso Desábato Leão não teme represálias na Argentina Parreira teme represália dos argentinos Quilmes reclama de tratamento recebido Argentino é solto depois de quase 40h Quilmes promete pedir indenização Argentino paga fiança e deve ser solto Desábato toma chimarrão na prisão Jogador deve ser libertado à tarde Desábato passará a noite no 13º DP São Paulo com receio de jogar na Argentina Grafite perdoa, mas mantém processo Grondona considera prisão um "exagero" Teixeira e Parreira repudiam racismo Embaixador quer desculpas de Desábato Câmara convida Grafite a debater o racismo Quilmes: delegação passou dia no hotel Desábato é um ilustre desconhecido Governo brasileiro condena ato racista Ibase encaminhará mensagens à Fifa Desábato é transferido de delegacia Alckmin condena racismo de Desábato Argentino é suspenso preventivamente Nicolás Leoz visita jogador argentino Grafite conseguiu o que queria?, diz Olé Quilmes acusa São Paulo de montar farsa Conmebol também investiga Desábato Enquete em jornal argentino vê racismo ?Atleta não demonstrou arrependimento? Delegação do Quilmes está retida em SP Jogador argentino está incomunicável Advogados tentam livrar jogador Desábato preso por racismo no Morumbi São Paulo vence Quilmes e lidera Grupo 3

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.