Imprensa e presidente levantam moral da Alemanha

A Alemanha viveu uma quarta-feira de ressaca, mas também de muito apoio aos jogadores e ao próprio técnico Jürgen Klinsmann, além da homenagem de vários setores ao clima festivo que o país viveu nas últimas três semanas. Nas ruas, muitas bandeiras ainda desfilavam nos carros e lojas mantinham as cores nacionais.O jornal mais popular do país, o Bild, estampou na sua manchete "Vocês lutaram como campeões do mundo". Já a Der Spiegel publicou uma enxurrada de incentivos e análises em seu site, parabenizando a campanha do time alemão nesta Copa. "Lágrimas estão aí para serem enxugadas" é o título de uma das análises. Para coroar o reconhecimento da alegria proporcionada pela equipe de Klinsmann, o presidente da nação, Horst Köhler, felicitou, também em entrevista ao Bild, todos os seus compatriotas."Estou orgulhoso do meu país. Achei bom não ser o único a ter uma bandeira do país tremulando em meu carro", declarou o presidente. "Os alemães voltaram a se identificar com seu país e com suas cores nacionais. Isto é grandioso." No site Sport1.de, a triteza pela derrota ainda dominava o noticiário. "Tristeza e lágrimas no Futebol-Alemanha" destacava como os dois gols italianos tinham atingido profundamente os comandados de Klinsmann.Na revista Kicker, várias notas procuravam mostrar que "a vida continua" e que muita coisa pode ser feita com esta geração. O destaque principal é a pressão pela permanência de Klinsmann, pois tanto Michael Ballack, capitão do time, como Franz Beckenbauer e o presidente da Federação Alemã, Theo Zwanziger, querem que o ex-atacante prossiga no comando técnico da equipe. "Espero muito que ele continue", disse o Kaiser.Para levantar a auto-estima alemã, mais uma vez o Bild, com 3,5 milhões de exemplares por dia, destacou 33 motivos para os alemães ficarem contentes com o Mundial organizado em casa. Os principais são: somos melhores do que o Brasil, Klose é o artilheiro da Copa e as mulheres agora sabem o que é impedimento.A Spiegel não fica atrás e joga para cima o moral alemão. A revista mostra o possível elenco para a disputa da Eurocopa de 2008, na Áustria e na Suíça, e defende o trabalho de Klinsmann. No artigo "Brilhe assim, Alemanha", a publicação agradece e rasga elogios ao anarquista do futebol Klinsmann, que deu à nação mais em três semanas do que a coalizão CDU-SPD, dos democrata-cristãos e social-democratas, fez em oito meses de governo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.