Dmitry Lovetsky/AP
Dmitry Lovetsky/AP

Imprensa inglesa exalta seleção após quarto lugar na Copa: 'Brilhante'

Inglaterra caiu diante da Bélgica por 2 a 0 neste sábado e não conquistou a medalha de bronze

Estadão Conteúdo

15 de julho de 2018 | 08h14

A derrota na decisão de terceiro lugar para a Bélgica não impediu que a imprensa inglesa exaltasse a campanha da seleção nacional na Copa do Mundo da Rússia. Apesar da queda por 2 a 0 no sábado, em São Petersburgo, os normalmente críticos jornais do país foram só elogios aos comandados de Gareth Southgate.

+ Putin, Macron e Kolinda estarão presentes na final da Copa

+ Após êxito na Copa, Rússia já pensa em sediar os Jogos Olímpicos

+ Rússia garante que não vai repetir os problemas do Brasil com 'elefantes brancos'

O Daily Mirror classificou como "brilhante" a campanha da seleção, que terminou na segunda colocação do Grupo G, passou por Colômbia nas oitavas de final, nos pênaltis, e Suécia nas quartas, antes de cair para a Croácia nas semifinais e para a Bélgica na disputa do terceiro lugar.

O mesmo jornal ainda afirmou que "a Inglaterra deu esperança à nação" e que "a seleção não é mais terra de ninguém". Por outro lado, considerou que "Southgate e seus jogadores serão para sempre assombrados", já que ficaram tão perto de voltar a uma final de Copa e falharam.

O tabloide The Sun fez um trocadilho com a palavra "força" em inglês ("force", que virou "fource" na brincadeira) e cravou: "Não somos uma grande força... Ainda". Apesar disso, o próprio jornal afirmou estar "orgulhoso" da campanha na Rússia e já mirou o Mundial de 2022, no Catar.

 

Já o jornal Daily Mail usou o lema da torcida ao longo de toda a Copa do Mundo - "está voltando para casa" - para brincar. E com uma foto da delegação deixando a concentração na Rússia, escreveu: "Vocês estão voltando para casa".

Para o The Telegraph, foi "uma Copa muito especial" para a Inglaterra. O jornal também brincou com o lema da torcida e tentou explicar "como o futebol (quase) voltou para casa".

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.