Ricardo Moraes/Reuters
Ricardo Moraes/Reuters

Imprensa mundial repercute suspensão de Neymar no Chile

Espanhois falam das mudanças na pena; Ingleses acham merecida

O Estado de S. Paulo

19 de junho de 2015 | 20h47

A suspensão de quatro jogos dada pela Conmebol ao atacante brasileiro Neymar depois de confusão com jogadores da Colômbia movimentou a imprensa internacional. A decisão cabe recurso, mas, neste momento o jogador do Barcelona está fora da Copa América de 2015, que está sendo disputada no Chile. 

A versão digital do AS, da Espanha, destacou que a entidade sul-americana voltou atrás em suas decisões, depois de falar que Neymar estava suspenso por três partidas. Antes a organização também reduziu a suspensão do atacante, que devia ficar fora de duas partidas, uma por ter recebido o segundo cartão amarelo na competição e outra por ter sido expulso de forma direta por Enrique Osses.

O também espanhol Marca fez questão de destacar que Bacca, responsável por empurrar o craque brasileiro e aumentar a ainda mais a confusão da partida entre Brasil e Colômbia, foi suspenso por dois jogos. 

Em Portugal, o periódico A Bola reforçou que a pena do barcelonista foi agravada porque o árbitro chileno colocou na súmula do confronto que foi ofendido pelo camisa 10 no túnel do estádio Monumental, em Santiago.

Até mesmo o jornal Olé, da Argentina, conhecido pelo tom mais descontraído em suas matérias, foi sério ao relatar as ofensas de Neymar contra Enrique Osses: "Quer ganhar fama às minhas custas", teria dito o camisa 10.

Comentarista da ESPN inglesa, o ex-jogador venezuelano Alejandro Moreno afirmou que o principal craque do time de Dunga "merece cada minuto da punição." "Ele já estava amarelado e depois tem uma conduta violenta. Não importa se você gosta ou não dele, mas você tem que avaliar o que ele fez em campo", completou. 

 

 

Um dia antes da publicação da pena, o companheiro de Barcelona Javier Mascherano saiu em defesa de Neymar. Em entrevista à ESPN, o defensor argentino disse que o brasileiro "recebe 20 pontapés por partida, mas ele é amarelado por um toque de mão. Não podemos esquecer que é um rapaz de 23 anos."


Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.