Incêndio em time de futebol israelense está ligado a racismo, diz polícia

Um incêndio criminoso suspeito danificou a sede do clube Beitar Jersualém, da primeira divisão do futebol de Israel, um dia depois de quatro fãs terem sido acusados ??em um tribunal por ligações com incitamento racista contra a contratação de jogadores muçulmanos pela equipe, disse a polícia.

Reuters

08 de fevereiro de 2013 | 13h33

O porta-voz da polícia Micky Rosenfeld afirmou que o incêndio, que não deixou feridos, causou "grandes danos" a instalações próximas aos locais de treinamento da equipe. Imagens da Reuters Television mostraram troféus e outras recordações destruídos.

"Os resultados iniciais revelam que o incêndio foi causado por alguns suspeitos", disse Rosenfeld, acrescentando que os policiais estavam investigando uma possível ligação com os protestos contra a equipe por causa da contratação de dois jogadores muçulmanos chechenos muçulmanos no mês passado.

O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu condenou a violência, dizendo em um comunicado na sexta-feira: "Esse comportamento é vergonhoso. Nós não devemos aceitar tal comportamento racista." Ele acrescentou: "O povo judeu que sofreu boicote e perseguição, deveria servir como uma luz para as outras nações."

O prefeito de Jerusalém, Nir Barkat, disse que a polícia iria agir com "mão pesada" para pôr um "fim a este problema", e elogiou o clube pelo que qualificou de passos em direção à "luta contra o racismo e a violência".

(Reportagem adicional de Ori Lewis; Reportagem de Allyn Fisher-Ilan)

Tudo o que sabemos sobre:
FUTISRAELRACISMO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.