Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

Incêndio no CT do Flamengo deixa 10 garotos das categorias de base mortos

Segundo os Bombeiros, um dos sobreviventes está em estado grave no hospital. Há outros dois meninos internados

Marcio Dolzan e Roberta Jansen, O Estado de S.Paulo

08 de fevereiro de 2019 | 07h32
Atualizado 08 de fevereiro de 2019 | 20h10

Um incêndio deixou dez mortos e três pessoas feridas, uma delas em estado grave, no Centro de Treinamento do Flamengo, em Vargem Grande, zona oeste do Rio, na madrugada desta sexta-feira. As vítimas, segundo os Bombeiros, são atletas das categorias de base do clube, que dormiam no local, e funcionários do clube, conforme informou o vice-governador do Rio, Cláudio Castro. Os feridos foram levados para o Hospital Municipal Lourenço Jorge, na Barra da Tijuca. São três, de acordo com informações do Corpo de Bombeiro, um deles, em estado mais delicado, passou por cirurgia e teve de 30% a 35% do corpo queimado. O goleiro Christian é a primeira vítima fatal identificada, de 15 anos. A segunda vítima é Arthur Vinícius, zagueiro de 14 anos. O terceiro corpo identificado é do garoto Vitor Isaías, de 15 anos. O quarto menino identificado é Áthila Paixão, de 14 anos.

O CT do Flamengo não estava com a documentação regularizada junto ao Corpo de Bombeiros. Segundo a corporação, o local não possuía o Certificado de Aprovação (CA), documento que atesta que a instalação está de acordo com a legislação vigente no que diz respeito a dispositivos contra incêndio. A informação foi confirmada pelo Corpo de Bombeiros Militares do Rio de Janeiro (CBMERJ), que ressaltou, contudo, que isso não significa que o CT não fosse seguro. "Importante esclarecer que a não existência do CA não significa, por si só, que o local não possuía os dispositivos, e sim que não era aprovado pelo CBMERJ", ressaltou a corporação.

O secretário de Defesa Civil do Rio de Janeiro e comandante-geral do Corpo de Bombeiros, Roberto Robadey, disse na manhã desta sexta-feira, 8, que o local não tinha certificado de segurança. Robadey chamou o local de “puxadinho”: “Não é exclusividade desse local. Mas as pessoas às vezes aprovam uma planta, aí quando vai ver resolve fazer puxadinho. Aumentar. A gente lamenta que as pessoas não possam fazer um planejamento adequado. É um ato final. Existe todo um procedimento”, afirmou, em entrevista à rádio BandNews.

Os bombeiros informaram ainda que o CA "não se trata de alvará de funcionamento (documento exigido para estabelecimentos comerciais) ou habite-se (para imóveis residenciais). Esses documentos são emitidos pela Prefeitura (do Rio)", mas que o documento faz parte de um processo de legalização de edificações que envolve outros órgãos. A prefeitura do Rio teria informado que a área onde é o alojamento da base está descrita como estacionamento no último projeto de licenciamento aprovado pela Prefeitura do Rio, em 5 de abril do ano passado. No arquivo da prefeitura não havia, portanto, a informação de qualquer alojamento no local.

A Rádio Eldorado fez uma entrevista com o comandante do Grupamento de Busca e Salvamento, Douglas Henaut, e ele explicou o que aconteceu. Ouça aqui. Os bombeiros foram acionados às 5h17 da manhã. Por volta das 6h20, as chamas foram controladas, mas ainda não havia informações sobre quem seriam os mortos e sobre a situação dos feridos. Imagens aéreas feitas pelo Estado mostraram uma parte da área do CT completamente destruída pelo fogo. 

Diversos clubes brasileiros já se manifestaram sobre o ocorrido, prestando solidariedade aos atletas e seus familiares. Eram garotos de 14 a 17 anos. Jogadores como Vinicius Juniors e Lucas Paquetá, ambos ex-Flamengo, também demonstraram preocupação com o fato. A imprensa internacional também repercutiu a tragédia no Rio. Nas redes sociais, o vice-presidente da República, Hamilton Mourão, também lamentou o acontecimento

Os três feridos tiveram seus nomes divulgados. A situação mais grave é de Jhonata Cruz Ventura, de 15 anos. Ele teve cerca de 30% a 35% do corpo queimado e foi transferido para o Hospital Pedro 2, especializado em queimaduras. Os outros dois jovens são Cauã Emanuel Gomes Nunes, de 14 anos, e Francisco Diogo Bento Alves, de 15 anos. A pedido do Flamengo eles foram transferidos para um hospital melhor nas imediações do Ninho.

Familiares e amigos de jogadores da base do clube foram para o CT e para o hospital desesperados, em busca de maiores informações. Alguns deles alegam que não conseguem contatos com os meninos. Segundo relatos de jogadores de base que sobreviveram ao incêndio, minutos antes de o fogo começar houve uma explosão no ar condicionado, uma espécie de curto circuito. Também segundo esses relatos, o fogo teria se alastrado muito rapidamente. Não está descartada a possibilidade de o incêndio ter começo no ar-condicionado. 

O time sub-16 do Flamengo chegou a treinar na quinta-feira e os jogadores foram liberados depois da atividade, de acordo com funcionários do clube. Entretanto, alguns atletas que não tinham condições de retornar imediatamente para suas casas, por morar em outros Estados, ficaram no alojamento. O pai do atleta Samuel Barbosa, que escapou da tragédia, contou que conseguiu falar com o filho, que chorava muito e estava assustado. O menino disse que acordou com o barulho do incêndio e conseguiu chamar um companheiro de time de apelido Bolívia. Ambos escaparam.

O meia Felipe Cardoso, um dos sobreviventes, lamentou o fato de não ter conseguido salvar todos os seus colegas

"A gente tem o local, que é o alojamento, onde os jogadores da base do Flamengo dormiam. A identificação das vítimas é feita posteriormente pela Polícia Civil" disse o tenente coronel do Corpo de Bombeiros Douglas Henaut. "Pelo horário, todos estavam dormindo e isso pode ter contribuído com a tragédia. Sabemos que são jovens da base", completou. Há a possibilidade de alguns funcionáiros do alojamento também terem morrido no incêndio, mas o Corpo de Bombeiro não confirmou essa informação. Quem confirmou a notícia foi o vice-governador do Rio, Cláudio Castro. "Entre as vítimas fatais, há jogadores e funcionários do Flamengo."

O Flamengo faz um levantamento de quantas pessoas estavam no local durante o incêndio. Ainda não divulgou, tampouco a lista dos mortos. O Secretário Estadual de Esportes, Felipe Bornier, chegou ao Ninho do Urubu por volta das 9h e disse que o governador do Rio, Wilson Witzel, vai decretar três dias de luto no Estado do Rio de Janeiro.  

A Federação Carioca de Futebol anunciou que os jogos válidos pela semifinal da Taça Guanabara foram adiados. Os profissionais do Flamengo também se mostraram solidários aos familiares que perderam seus filhos. O time de Abel Braga trabalha diariamente no mesmo CT. 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.