'Incidente do gás' custa ao Palmeiras dois jogos no Palestra

Punição será cumprida na edição 2009 do Campeonato Paulista; clube também pagará multa de R$ 10 mil

Redação,

26 de maio de 2008 | 18h57

O Tribunal de Justiça Desportiva (TJD) de São Paulo puniu o Palmeiras nesta segunda-feira com a perda de dois jogos e uma multa de R$ 10 mil pelo incidente durante o intervalo da partida diante do São Paulo, válida pela semifinal do Campeonato Paulista, vencida pelo time alviverde por 2 a 0, no dia 20 de abril. Veja também: Luxemburgo dará bronca nos jogadores por excesso de firulaNo julgamento, que havia sido prorrogado por três vezes, os auditores optaram pela punição, apesar de um laudo parcial da Polícia Civil, especificamente do Instituto de Criminalística, assinado pela chefe dos investigadores, Ana Maria Coelho, além do investigador do incidente, Carlos Matias, que colocava em dúvida de quem seria a culpa pelo incidente no vestiário do São Paulo. Na ocasião, comissão técnica, dirigentes e jogadores tiveram que passar o intervalo da partida no campo, para evitar a inalação do gás, que ainda não foi identificado.A punição não era esperada pelo Palmeiras. Em sua defesa, realizada pelo advogado Luiz Roberto Castro, o clube alviverde tentou provar que o julgamento sequer deveria ter existido, uma vez que não teria como comprovar a origem do gás. Apesar da tentativa, o Palmeiras foi indiciado no artigo 213 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD), que prevê punição ao clube que não tomar providências capazes de prevenir ou reprimir desordens em praça de desporto.A punição não foi bem-recebida pelo Palmeiras. O diretor de futebol do clube, Saverio Orlandi, disse que a decisão será acatada, mas com cautela. "Recebemos a punição, mas com cautela. Sempre fomos a favor das decisões do Tribunal, que sempre acertou", disse o dirigente, que completou: "Acho estranho o clube ser punido, já que o laudo diz claramente que o Palmeiras não é culpado pelo gás. E tem outra: o laudo oficial ainda não saiu, e não teria como julgar o clube sem ele."Diante da espera do laudo oficial, o Palmeiras entrará com um recurso para anular a sentença e realizar um novo julgamento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.