'Incrível como uma final como essa não se repetiu antes', diz Pepe

Ponta-esquerda do Santos lembra da decisão do Paulista

Entrevista com

Pepe

Daniel Batista, O Estado de S.Paulo

25 de abril de 2015 | 16h59

Por que o Palmeiras ficou com o título?

Eles tinham um grande time, e o Lula apostou no Pagão e no Jair da Rosa Pinto, que não tinham atuado no jogo anterior. Eles sentiram, e como não tinha substituição, complicou. Ficamos debilitados e não tinha como colocarmos outros jogadores no lugar. Jogar com dois a menos contra um time tão qualificado como era o Palmeiras, ficava complicado.

Imaginou que a final demoraria tanto para se repetir?

Incrível, né? Eu tinha 24 anos. Só agora, eu com 80 anos, repetem esse jogo.

Tentou reverter a situação com seus chutes de fora da área?

Claro. Sempre falavam do Pelé, mas de vez em quando eu soltava uma bomba e complicava a vida do goleiro. Mas desta vez, não deu.

Tecnicamente, não dá para comparar, mas taticamente, vê alguma semelhança entre as equipes daquela época para as atuais?

Também não. O futebol mudou muito. O Zito era o sexto atacante do Santos. Os atacantes atualmente são mais sacrificados, têm que marcar e tudo mais. Hoje, quando se colocam dois na frente já falam que o técnico é ousado. 

Palpite para domingo?

Eu vou torcer para o Santos, claro. Acho que o Santos tem uma equipe jovem e é mais equilibrada, mas será um jogo muito disputado. Minha torcida é pelo Santos, mas prefiro não apostar quem leva. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.