Indignado, Corinthians vai recorrer

Ainda inconformado com a pena imposta pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) aos jogadores Doni (40 dias), Fábio Luciano (60 dias) e César (3 jogos), pelos incidentes no clássico contra o Santos, o Corinthians decidiu nesta quarta-feira que vai recorrer.O vice-presidente de futebol do clube, Antonio Roque Citadini, está indignado com a pena levada pelos jogadores do Corinthians, se comparadas aos atletas do Santos - Fábio Costa e Fabiano pegaram 4 jogos - envolvidos na briga de 9 de julho, no Morumbi. "Foi uma pena totalmente desproporcional, havendo possibilidades, temos de recorrer", afirmou o dirigente, defendendo que os santistas é que começaram a confusão.O Corinthians tem cinco dias para entrar com o recurso, que deve ser apresentado até segunda-feira. O advogado do clube, João Zanforlin, passou o dia estudando os melhores caminhos da defesa. "Vamos pedir efeito suspensivo e redução de pena", garantiu, afirmando que o recurso é cabível aos três jogadores.Os atletas foram inclusos no artigo 310 (agressão), mas Fábio Luciano e Doni estão enquadrados em parágrafo único: "Promover lesão corporal grave", o que significou a pena maior. "Para o STJD, voadora é mais grave do que socos e tapas", disse Zanforlin. O advogado havia tentado desqualificar a "forte agressão", alegando que três dias depois, Fabiano já estava em campo (contra o Vitória). Pediu, ainda, bom senso aos auditores, pois poderiam atrapalhar na negociação de Fábio Luciano com o Fenerbahce, da Turquia. Segundo a Fifa, atletas punidos em associações nacionais têm de cumprir a pena mesmo se transferidos para outro país.Zanforlin não teve o êxito desejado, mas mesmo assim, o advogado do Corinthians comemorou as penas impostas. Tudo porque Doni e Fábio Luciano poderiam ser suspensos por até 90 dias, enquanto Fábio Costa e Fabiano receberam pena máxima. "Nossa defesa foi ótima, mas enquanto couber recursos, vamos fazê-lo", avisou.Reforços - A diretoria do Corinthians promete anunciar a contratação de dois atacantes e um meia. Robert, ex-Santos e atualmente no Consadole Sapporo, do Japão, e Kléber, do Tigres, do México, foram sondados. Mas os altos salários praticamente inviabilizaram as negociações. Kléber até aceita reduzir os salários, mas sua equipe não aceita emprestá-lo. Pede US$ 3 milhões para vendê-lo. Com tamanha dificuldade, o clube pode trazer o desconhecido Thiago Corrêa, meia de 18 anos, do Maringá.

Agencia Estado,

16 de julho de 2003 | 19h18

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.