Enrique Marcarian/Reuters
Enrique Marcarian/Reuters

Indignado, Maradona acusa diretor da AFA de traição

Ex-técnico da seleção argentina acreditou que continuaria no cargo, mesmo após fracasso na Copa

AE-AP, Agência Estado

28 de julho de 2010 | 19h23

Diego Maradona não poupou críticas aos dirigentes da Associação do Futebol Argentino (AFA) nesta quarta-feira, ao comentar sobre a sua saída do cargo de técnico da seleção. Um dia após a confirmação de que não teria o seu contrato renovado, o ídolo argentino demonstrou indignação e acusou Carlos Bilardo, diretor de seleções da AFA, de traição.

"Estou muito triste e ferido", disse Maradona, que leu um comunicado e não permitiu perguntas aos jornalistas. "Grondona mentiu para mim, Bilardo me traiu", acusou o ex-técnico da seleção, citando também Julio Grondona, presidente da AFA. Apesar da revolta, o craque deixou claro que tinha a intenção de seguir no cargo.

"Me chamaram para apagar um incêndio, o apagamos, e quando podíamos trabalhar com mais tempo e tranquilidade acontece isto que se passou nas últimas horas", afirmou Maradona. O treinador se refere à reunião que teve ainda na segunda com Grondona. Nela, o mandatário da AFA teria pedido para que Maradona tirasse sete membros de sua comissão técnica. O craque, por sua vez, não aceitou mexer em seus homens de confiança.

Insatisfeito com a maneira como foi tratada a sua renovação após a Copa do Mundo da África do Sul, Maradona ainda deixou um aviso para o próximo técnico. "Assuma quem assuma a seleção, que saiba que a traição está ao virar a esquina. Há pessoas que não querem o bem do futebol argentino e só cuidam de seus interesses pessoais", acusou.

Mais do que Grondona, Bilardo é um antigo desafeto de Maradona. O atual dirigente era o técnico da seleção na Copa de 1986, quando o ex-jogador foi o principal astro do time e liderou a equipe ao título. Agora, a seleção argentina será comandada interinamente por Sergio Batista, treinador das equipes de base.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.