Geoff Caddick/AFP
Geoff Caddick/AFP

Infantino é suspeito de interferir e tentar interromper investigação sobre seu passado

Há suspeitas sobre a atribuição de um contrato de direitos de TV a uma empresa offshore quando o dirigente era o principal advogado da Uefa

Redação, AFP

28 de abril de 2020 | 09h39

O presidente da Fifa, Gianni Infantino, teria interferido junto ao procurador-geral da Suíça com o objetivo de que uma investigação em que ele estava envolvido fosse abandonada, informou o jornal suíço Tribune de Genève. O Ministério Público da Confederação Suíça (MPC) começou a investigar no início de 2016, logo após a eleição de Infantino como presidente da Fifa, a atribuição de um contrato de direitos de televisão a uma empresa offshore quando o dirigente ítalo-suíço era o principal advogado da Uefa.

Segundo o jornal, "preocupado" com essa investigação, Infantino escreveu a seu amigo de infância Rinaldo Arnold, que era um promotor na região de Haut-Valais, de onde os dois são originários. "Vou tentar explicar ao MPC que estou interessado em que tudo seja esclarecido o mais rapidamente possível, que seja claramente afirmado que não tenho nada a ver com este caso", escreveu Infantino em e-mail citado pelo jornal. Arnold, que já havia ajudado a organizar numa primeira reunião entre o procurador-geral Michael Lauber e Infantino, respondeu: "O importante é a nomeação em duas semanas, se você quiser, posso acompanhá-lo novamente".

A nomeação ocorreu em 22 de abril de 2016, informou o jornal, especificando que seu conteúdo é "um mistério" e que o MPC "se recusa a falar". Questionado pela AFP, o MPC não quis dar declaração sobre o artigo do Tribune de Genève.

Fora de contexto

A Fifa, em comunicado divulgado na noite de segunda-feira, informou que o conteúdo do e-mail particular de Infantino para "um amigo próximo" havia sido "completamente retirado do contexto com o único objetivo de enganar o leitor". A correspondência foi obtida por "hackers, o que é ilegal e se trata de um ato criminoso", anota. "Não apenas Infantino não tinha nenhum motivo para mentir nesse e-mail, mas esse e-mail nunca indicou que Infantino queria 'limpar seu nome'", acrescentou. A Fifa também explicou que "certos canais da mídia" haviam noticiado na época que Infantino estava sendo objeto de uma "investigação criminal" em relação a "um contrato muito menor relativo aos direitos de televisão no Equador para competições da Uefa."

Para o organismo, "é uma mentira clara e absoluta, cujo único objetivo era manchar a reputação de Infantino". A Fifa voltou a explicar que as reuniões entre Infantino e o ministério público visavam mostrar que a federação "estava pronta para colaborar com a justiça suíça".

Em novembro de 2017, "após uma terceira reunião informal" entre Infantino e Lauber, o MPC encerrou a investigação do contrato assinado por Infantino e a Uefa. A Tribune de Genève também indicou que havia contatos telefônicos entre promotores suíços e advogados da Fifa. "Os promotores aparentemente ajudaram a Fifa a formular seus pedidos" como denunciante, informa o jornal, uma atitude que "parece incompatível com o dever de imparcialidade do MPC".

De acordo com um relatório do Órgão de Fiscalização do Ministério Público Suíço (AS-MPC), citado no início de março pelo jornal francês Le Monde e que a AFP obteve, alguém próximo a Infantino teria procurado obter informações confidenciais sobre uma investigação contra a Fifa em julho de 2015, sete meses antes de sua eleição para presidente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.