Presidência do Irã / AFP
Presidência do Irã / AFP

Infantino garante que mulheres poderão ir aos estádios de futebol no Irã

Poucas horas antes da reunião, mulheres foram presas por terem assistido a jogo

Estadão Conteúdo

02 Março 2018 | 10h26

O presidente da Fifa, Gianni Infantino, disse ter recebido garantias do governo do Irã de que as mulheres fãs de futebol poderão entrar nos estádios para assistir a partidas em breve. O país proibiu as mulheres de frequentarem estádios de futebol desde a Revolução Iraniana, em 1979.

+ Fifa 'rifou' Del Nero após ser acusada por investigadores dos EUA de protegê-lo

+ Fifa consulta técnicos sobre utilização do árbitro de vídeo na Copa do Mundo

Infantino não especificou quem fez a promessa, nem abordou o fato de apenas os homens serem permitidos nos estádios iranianos durante um discurso no país asiático nesta quinta-feira. Havia apenas uma referência passageira ao futebol feminino no endereço em Teerã.

"Espero ter certeza de que as mulheres no Irã terão acesso aos estádios de futebol em breve", afirmou Infantino nesta sexta-feira, na sede da Fifa em Zurique. "Vamos ver, mas espero que essa experiência que fiz apenas ontem à tarde (no Irã) talvez possa ajudar muitas mulheres ao redor do mundo", completou.

A declaração de Infantino aconteceu horas depois de duas mulheres serem presas por tentarem assistir a um jogo de futebol entre Esteghlal e Persépolis, no estádio Azadi, em Teerã. O dirigente estava presente no local da partida, juntamente com o ministro iraniano do Esporte, Masoud Soltanifar.

De acordo com a agência de notícias ISNA, um porta-voz do Ministério do Interior iraniano disse que as mulheres não foram presas, apenas detidas temporariamente, e informou que elas seriam liberadas ao final da partida. Além das detenções, segundo a ISNA, outras 35 mulheres foram impedidas de entrar no estádio e "foram instruídas pela polícia a procurarem um lugar apropriado para ver o jogo".

Em meio a críticas à viagem ao país asiático, Infantino abriu a quarta edição da Conferência de Igualdade e Inclusão da Fifa nesta sexta-feira alegando que a viagem poderia ajudar "muitas mulheres em todo o mundo". "Claro que, para um grande país como o Irã, mais coisas podem ser feitas", disse o mandatário. "Então, meu pedido a todos vocês homens e mulheres é: desenvolver e encorajar o futebol feminino pois precisamos cuidar de 50% da nossa população."

O Irã ignorou os pedidos anteriores da FIFA para abrir seus estádios para as mulheres. O antecessor de Infantino, Joseph Blatter, fez um discurso mais forte em 2015 para expressar frustração com a falta de progresso. Blatter disse que em 2013 recebeu a impressão do presidente iraniano, Hassan Rouhani, de que a "intolerável situação poderia mudar a médio prazo".

"Isso não pode continuar", escreveu Blatter no site da FIFA em 2015. "Por isso, meu apelo às autoridades iranianas é para abrir os estádios de futebol da nação para as mulheres."

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.