Maxim Shemetov / Reuters
Maxim Shemetov / Reuters

Infantino ri das encenações de Neymar e diz: 'Ainda mostrará suas habilidades'

Presidente da Fifa elogia Messi, mas afirma que esperava mais da Argentina; entidade quer evitar 'perda de tempo' durante os jogos

Jamil Chade, enviado especial / Moscou, O Estado de S.Paulo

13 Julho 2018 | 08h26

As encenações de Neymar durante a Copa do Mundo arrancaram risos do presidente da Fifa, Gianni Infantino. Em sua coletiva de imprensa de encerramento do Mundial nesta sexta-feira, ele foi questionado sobre o jogador brasileiro.

+ Fifa suspira com êxito da Copa do Mundo dentro e fora de campo

+ Presidente da Uefa avisa: o domínio europeu vai aumentar no futebol

+ Fifa não responde sobre abusos de direitos humanos e vê Rússia como 'melhor Copa'

Sua resposta começou diplomática. "Neymar é um grande jogador. Essa é a primeira coisa. É um grande talento", disse. "Quando estou diante de jogadores que nos fazem sonhar, não posso dizer nada de negativo", explicou.

Mas o cartola então fez uma pausa, abriu os braços e riu. "Claro, ele vai mostrar mais habilidades no futuro", disse. "Ele vai mostrar suas reais habilidades no futuro", completou.

Seu tratamento foi diferente ao tratar de Lionel Messi. "Esperávamos mais da Argentina", disse. "Mas Messi é grandíssimo, como sempre. Fez um golaço. Se ganhassem de 2 a 1 da França, caso se fechassem, Messi poderia mostrar ainda mais. Não se discute Messi. Ele nos faz sonhar há dez anos e vai continuar", apostou.

 

Nos bastidores, o Estado apurou que a Fifa quer avaliar medidas que possam ser adotadas para punir e lutar contra encenação no futebol. O assunto faz parte da agenda de Infantino, que tem falado a pessoas próximas que estaria preocupado com a "perda de tempo" em campo por conta da atitude de jogadores.

O problema não se refere apenas a Neymar, alvo de críticas de ex-jogadores internacionais, torcedores, dirigentes e mesmo adversários. Mas o suíço se queixou da "perda de tempo" que a encenação estaria gerando, num sentido mais amplo, e não apenas com jogadores que sofrem faltas. Sua avaliação interna é de que, sempre que um time está ganhando, os jogadores parecem abusar de certos lances para ganhar tempo e encenar contusões.

Na semana passada, o Estado revelou como membros do Conselho da Fifa estavam irritados com o comportamento de Neymar em campo, alertando que suas encenações estariam prejudicando a seleção. A televisão estatal suíça chegou a calcular o tempo que Neymar ficou no chão durante a Copa do Mundo, atingindo a marca de 14 minutos. Infantino ainda teria citado a demora de jogadores quando são substituídos, insistindo que o assunto também teria de ser debatido.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.