Lee Smith/Reuters
Lee Smith/Reuters

Inglaterra enfrenta Panamá e contém euforia para evitar surpresa

Após bater a Tunísia na estreia, seleção inglesa quer garantir classificação nas oitavas de final

Felipe Rosa Mendes, O Estado de S.Paulo

24 Junho 2018 | 00h00

A vitória na estreia e os momentos de bom futebol exibidos contra a Tunísia empolgaram a torcida da Inglaterra e geraram expectativas sobre a nova geração do campeão mundial de 1966. Mas o técnico Gareth Southgate quer evitar qualquer clima de empolgação em sua equipe e prega cautela para o jogo contra o modesto time do Panamá às 9 horas (horário de Brasília) deste domingo, no Nizhny Novgorod Stadium, em Nizhny Novgorod, pelo Grupo G da Copa do Mundo da Rússia.

+ Southgate 'perdoa' repórteres por vazarem titulares contra o Panamá

+ Goleiro panamenho quer vitória sobre Inglaterra, mas diz: 'Viemos para aprender'

O motivo ainda está na memória dos torcedores: a dura eliminação para a então surpresa Islândia, nas oitavas de final da Eurocopa de 2016. É o suficiente para deixar em alerta o escaldado time inglês diante do Panamá, uma das duas estreantes neste Mundial ao lado justamente dos islandeses. Na estreia, o time panamenho levou 3 a 0 da Bélgica.

Apesar da limitação do adversário e da série invicta de 15 jogos da Inglaterra, Gareth Southgate não quer dar brecha para surpresas. E por isso vem apostando em alternativas na equipe. "No futebol, você precisa de um plano B, C, D, E e F", disse o meia Eric Dier. "Porque você nunca sabe o que vai encontrar pela frente", afirmou o jogador da seleção inglesa e do Tottenham.

Com estes planos em mente, o treinador faz mistério sobre a escalação. É quase certo que ele não repetirá a mesma equipe da vitória sobre a Tunísia por 2 a 1 na estreia. Gareth Southgate já deixou claro que não ficou satisfeito com aquela performance. A renovada equipe da Inglaterra exibiu lampejos de grande futebol, mas oscilou e levou sustos.

 

No fim das contas, sobressaiu a estrela de Harry Kane, autor dos dois gols ingleses, um deles nos acréscimos do segundo tempo. Gareth Southgate não quer passar sufoco novamente. Por isso, deve fazer mudanças no ataque. O meia Ruben Loftus-Cheek, do Crystal Palace, e o atacante Marcus Rashford, do Manchester United, são os candidatos a entrar no time.

Ruben Loftus-Cheek entraria na vaga de Dele Alli, que treinou separado do grupo durante a maior parte da semana. Ele ainda se recupera de uma lesão muscular na coxa direita. Marcus Rashford poderia substituir Raheem Sterling, do Manchester City, que teve desempenho apagado na estreia.

As duas possíveis novidades no time são representantes da nova geração inglesa, dona de um dos elencos mais jovens desta Copa. Ruben Loftus-Cheek tem 22 anos, enquanto que Marcus Rashford conta apenas 20 e já é um dos jogadores de confiança do técnico português José Mourinho no Manchester United.

A opção pela renovação e a postura mais leve de Gareth Southgate vêm transformando a seleção, na avaliação dos próprios jogadores. Até a lesão sofrida pelo próprio técnico nesta semana é sintomático do "novo espírito" vivido dentro da seleção. Ele deslocou o ombro direito ao comemorar o segundo gol inglês na estreia.

Em vez de lamentar o episódio de pouca sorte, brincou com a situação diante dos seus jogadores. "Ele fez piada sobre a contusão, conseguiu tratar o assunto do jeito mais engraçado possível", revelou o lateral-direito Trent Alexander-Arnold, do Liverpool. "Ele tentou colocar um sorriso no rosto de cada um".

Com esta leveza, a Inglaterra terá como segundo desafio na Rússia a humilde equipe do Panamá. Após a derrota na primeira rodada, o time panamenho mantém os pés no chão e evita falar em surpresa ou zebra. Pelo contrário, o discurso no elenco dos estreantes em Copa é de aprendizado. "Viemos aqui para aprender e competir. Se quisermos continuar competindo, precisamos desempenhar bem contra eles. Começando da parte que sabemos que será um jogo cheio de adrenalina porque dependemos deste resultado para seguir em frente no torneio", ponderou o goleiro Jaime Penedo.

Se vencer mais uma, a equipe inglesa deve selar a vaga nas oitavas de final. Assim, chegará ainda mais leve para enfrentar a Bélgica, cabeça de chave e uma das favoritas ao título, na rodada final do Grupo G.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.