Dmitri Lovetsky/AP
Dmitri Lovetsky/AP

Inglaterra estreia na Copa para tentar deixar histórico ruim para trás

Ingleses encaram a Tunísia, em Volgogrado, às 15h, no grupo que tem Bélgica e Panamá

Gabriel Melloni, O Estado de S.Paulo

18 de junho de 2018 | 05h00

Ao contrário de boa parte das últimas Copas do Mundo, a seleção inglesa chega discretamente para o torneio na Rússia. Sem os grandes nomes que marcaram o país nas últimas décadas, uma nova geração tentará provar seu valor a partir de hoje, quando ocorre o confronto com a Tunísia, em Volgogrado, às 15h (de Brasília), pelo Grupo G da competição, que conta ainda com Bélgica e Panamá.

+ Tunísia se apoia em desempenho nos amistosos para crer em boa campanha

+ Técnico da Inglaterra encerra preparação para estreia: 'Estamos prontos'

Se já não tem craques como Beckham, Gerrard e Lampard, o time inglês, campeão do mundo em 1966, aposta em nomes que conquistaram espaço nos últimos tempos no futebol nacional, como o meia Dele Alli, do Tottenham, e os atacantes Sterling, do Manchester City, e Harry Kane, do Tottenham.

Talvez o talento não seja o mesmo de anos anteriores, mas a expectativa é de dias melhores. Afinal, se brilhavam com as camisas de seus clubes e eram considerados alguns dos melhores jogadores do mundo, Gerrard, Lampard e cia. nunca corresponderam na seleção.

Depois de decepcionar e ficar de fora da Copa do Mundo dos Estados Unidos, em 1994, a Inglaterra nunca foi além das quartas de final. Na França, em 1998, caiu nas oitavas para a Argentina, nos pênaltis; em 2002, na Coreia do Sul e no Japão, e 2006, na Alemanha, saiu do torneio nas quartas jogando, respectivamente, contra Brasil e Portugal. Em 2010, na África do Sul, nova derrota nas oitavas, para a Alemanha, e em 2014, no Brasil, eliminação ainda na primeira fase.

 

Apesar do retrospecto recente, o clima é de otimismo para o torneio na Rússia. Isso porque a Inglaterra cresceu nas mãos do técnico Gareth Southgate. Em 18 jogos no comando da seleção, foram apenas duas derrotas – para França e Alemanha –, seis empates e 10 vitórias.

“Os jogadores conhecem bem o time, sabem qual funções vão desempenhar. Estão treinando bem e conhecem seus papéis em campo”, declarou Southgate ao longo da semana, escancarando o otimismo em relação ao desempenho da Inglaterra na Copa.

O bom momento inglês passa pelo rendimento defensivo da seleção. Nos últimos dez jogos disputados, o país tomou apenas três gols. Nesse período, a equipe parou até o ataque do Brasil, no empate por 0 a 0 em amistoso realizado em novembro de 2017, em Londres.

Mas é do meio para frente que estão os principais talentos da equipe. Dele Alli e Kane têm conduzido o Tottenham já há alguns anos a boas campanhas no Campeonato Inglês e são considerados dois dos principais jogadores do futebol europeu, assim como Sterling, um dos destaques do City de Pep Guardiola. O setor ofensivo conta ainda com o centroavante Jamie Vardy, que levou o Leicester ao histórico título nacional em 2015/2016.

 

DETERMINAÇÃO

Do outro lado, porém, os ingleses podem esperar dificuldade. Afinal, a Tunísia também vive boa fase e foi derrotada somente uma vez nas últimas 10 partidas. No amistoso final da preparação para a Copa do Mundo, caiu diante da Espanha, por 1 a 0. Neste período, venceu o Egito, a Costa Rica e o Irã, além de arrancar um empate de Portugal.

Por isso, o otimismo também tomou conta do técnico da seleção africana, Nabil Maaloul. “Essa geração tem muita qualidade e o nosso objetivo é chegar às quartas de final, especialmente se jogarmos em alto nível como fizemos nos últimos amistosos”, afirmou.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.