Inglaterra lembra Muamba e doa desfibriladores a clubes

A Associação de Futebol da Inglaterra (FA, na sigla em inglês) lembrou nesta segunda-feira o aniversário de um ano, completado no último domingo, da parada cardíaca sofrida por Fabrice Muamba durante uma partida e disponibilizou 900 desfibriladores para clubes de divisões inferiores e também para as equipes que disputam a elite do futebol feminino do país.

AE-AP, Agência Estado

18 de março de 2013 | 11h29

Muamba sobreviveu, embora seu coração tenha parado de bater por 78 minutos após o incidente, ocorrido quando defendia o Bolton em partida contra o Tottenham, válida pela Copa da Inglaterra, realizada no White Hart Lane.

Um ano depois, a FA lançou uma iniciativa, que custou 1,2 milhão de libras (aproximadamente R$ 3,6 milhões), em conjunto com a Fundação Britânica do Coração (BHF, na sigla em inglês), que vai criar "salva-vidas, dando aos jogadores, torcedores e pessoas que trabalham nas partidas equipamentos e informações", incluindo conselhos sobre técnicas de ressuscitação com as mãos.

"Esta é uma oportunidade para equipar muitos dos nossos clubes de futebol com as habilidades de salva-vidas e equipamentos que irão melhorar as pobres taxas de sobrevivência após parada cardíaca no país", disse.

Muamba teve que se aposentar, cinco meses após o incidente, e sua história tocou o mundo do futebol. "No ano passado, hoje, o meu mundo quase terminou. Hoje eu estou vivo e amando a vida", publicou o ex-jogador, domingo, no Twitter, rede de microblogs na internet. "Obrigado a todos pelo amor e apoio. Deus abençoe a todos".

A FA, a BHF e os clubes estão investindo 400 mil libras (R$ 1,2 milhão) cada no projeto, que irá fornecer desfibriladores para as equipes do Campeonato Inglês Feminino de Futebol e para times que disputam da quinta divisão para baixo do Campeonato Inglês e não podem pagar pelo equipamento.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolFAMuambadesfibriladores

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.