Justin Tallis/EFE
Justin Tallis/EFE

Inglaterra mostra força em Wembley e se vinga da Croácia na estreia na Eurocopa

Time de Gareth Southgate supera trauma de 2018, quando foi eliminado na semifinal da Copa do Mundo com gol na prorrogação

Redação, Estadão Conteúdo

13 de junho de 2021 | 12h08

O resultado magro não reflete a estreia da Inglaterra na Eurocopa. Com futebol bastante ofensivo, de toques rápido e extrema velocidade, os ingleses abriram sua participação com bela apresentação, em Wembley. O 1 a 0 em Londres ficou barato para a Croácia, dominada totalmente, que viu a seleção rival se vingar de eliminação nas semifinais na Copa do Mundo da Rússia.

Três anos após chorar uma dolorosa derrota na semifinal em solo russo, de virada, por 2 a 1, com gol na prorrogação, os ingleses se vingaram com imposição sobre os croatas. Confirmando que não é apontada como uma das favoritas à toa, a seleção da rainha foi bastante forte em Londres. E só não ganhou com mais folga por causa das defesas do goleiro da Croácia ou por parar na trave.

Antes de a bola rolar no lendário estádio de Wembley, os jogadores ingleses se ajoelharam em ato contra o racismo. Os croatas não repetiram o gesto. Preferiram se concentrar no duro duelo que tinham pela frente.

E a dificuldade esperada se confirmou rapidamente. Empurrados por empolgados torcedores nas arquibancadas, a Inglaterra assustou de cara. Logo com cinco minutos, Folden carimbou a trave em chute colocado de pé esquerdo. Pouco depois, Sterling saiu na cara do goleiro e, ao invés de finalizar, tentou o drible e acabou desarmado. Era um massacre inglês, com chances criadas aos montes. A vice-campeã do mundo estava totalmente descontrolada em sua estreia.

E foi totalmente envolvida durante toda a etapa. A ideia era se ajustar no vestiário, contudo, o clima na seleção inglesa era de "decisão". Com toques rápidos e muita velocidade, finalmente chegou ao tão buscado gol. Walker encontrou Sterling, que finalizou antes do combate do zagueiro e correu para festejar. O gol causou gritaria gigante de alegria e alívio dos torcedores.

O artilheiro Harry Kane teve sua chance para ampliar. Mas acabou não desviando o cruzamento para as redes e ainda se chocou com a trave, em novo lance de apreensão com atendimento a jogador no campo após o caso do dinamarquês Eriksen, que desmaiou no gramado no sábado. Superou as dores, rapidamente, para aplausos efusivos.

O goleador não deixou sua marca e ainda acabou substituindo antes do apito final. Em seu lugar entrou Bellingham, de 17 anos, jogador mais jovem a defender a seleção principal inglesa. Pouco pegou na bola e também assustou, em choque de cabeça com um oponente. Recebeu atendimento e voltou para participar de uma linda e merecida festa de quem mais jogou bola em Wembley. A Inglaterra, que teve seus clubes nas principais finais do continente, mostra disposição para voltar a brilhar, também, como seleção.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.