Ingresso chega a US$ 350 na Argentina

Poucas horas antes do início do clássico Brasil-Argentina, as entradas para assistir o jogo no próprio estádio Monumental de Núñez adquirem valores siderais. Milhares de fanáticos que ficaram sem o tíquete estão desesperados e aceitam qualquer preço em troca de ver a partida de perto. Argentinos e turistas brasileiros recém-chegados à capital do país procuram os cambistas na frente dos hotéis e os sites de internet para obter as cobiçadas entradas. Os preços originais de venda nas bilheterias oscilavam de 10 pesos a 15 pesos (de US$ 3,45 a US$ 5,00). No entanto a demanda pelo clássico é descomunal, fato que inflacionou o preço, pois hoje no fim da tarde já estavam sendo revendidas a mais de 1.000 pesos (US$ 346). O preço médio, no entanto, estava ao redor de 300 pesos (US$ 107). As ofertas de revenda, proibidas pela lei da Argentina, apareciam principalmente nos sites "Mercado libre" e "De remate". O volume de ofertas era tão grande e veloz que os sites não estavam conseguindo eliminar todas as entradas a tempo para cumprir a lei. A expectativa dos analistas do setor é que o preço continuaria em disparada ao longo desta quarta-feira. Os casos mais desesperados são os dos turistas brasileiros que desembarcaram na cidade com a esperança de conseguir as entradas facilmente. Caso não consigam as entradas, terão que se resignar a ter viajado à Buenos Aires para assistir o jogo no quarto de hotel e ouvir a narração em espanhol. Entre os torcedores argentinos, as expectativas sobre o resultado do jogo estão divididas. Segundo uma pesquisa realizada pelo site Terra, freqüentado por um público jovem, o vitorioso será o Brasil, segundo 63,5% dos internautas. Somente 30,1% acreditam na vitória argentina, enquanto que 6,4% consideram que haverá empate. Mas, segundo o site do tradicional e sóbrio jornal "La Nación", de público majoritariamente adulto e de terceira idade, 66,94%, acreditam que a Argentina "pode" vencer o Brasil neste clássico. Na opinião de 33,06%, a seleção de José Pekerman será a derrotada. ABRAÇAR UM GORDO - O ex-astro do futebol argentino, Diego Armando Maradona, que está na cidade, declarou que confia na vitória argentina, mas, destacou que o Brasil possui jogadores "incríveis". Maradona disse que enfrentar o Brasil é como tentar abraçar "El Gordo Porcel" (em referência ao obeso e veterano comediante Jorge Porcel). Na virada da noite de segunda para terça-feira, "El Diez" (O Dez), como é conhecido popularmente, apareceu repentinamente no Hotel Intercontinental, no bairro de Montserrat, para visitar Ronaldinho. Os dois intercambiaram camisetas autografadas. Ronaldinho pontificou: "o Diego é...como posso explicar...é algo intocável". Maradona tampouco poupou elogios: "há pouco soube que Ronaldinho fez um seguro de 150 milhões de euros. Ele vale isso". Além disso, "El Diez" confessou que deseja que a seleção argentina "clone" a brasileira: "quero que imite a forma de jogar que o Brasil sempre teve...essa é a forma de jogar que eu quero para a Argentina. O ideal é que estejamos equiparados com o Brasil na hora de disputar a Copa da Alemanha". Segundo Maradona, o Brasil tem "um timaço, muito bem montado, com jogadores incríveis".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.