Cesar Greco/Ag. Palmeiras e JF Diorio/Estadão
Cesar Greco/Ag. Palmeiras e JF Diorio/Estadão

Início positivo faz Palmeiras ir ao dérbi como favorito contra o Corinthians

Times se enfrentam no próximo sábado, pelo Campeonato Paulista, em situações bem diferentes

Ciro Campos, João Prata, O Estado de S.Paulo

31 de janeiro de 2019 | 04h30

Palmeiras e Corinthians vão se enfrentar no próximo sábado em situações opostas na tabela do Campeonato Paulista. Enquanto o time alviverde entrará em campo no Allianz Parque, às 17h, com a série de três vitórias seguidas, o rival alvinegro vai levar o momento de irregular e a situação incômoda de estar fora da zona de classificação.

A rodada da noite desta quarta-feira reforçou as situações diferentes vividas pelos clubes. Enquanto o Corinthians jogou mal e perdeu em casa por 2 a 0 para o Red Bull, o Palmeiras bateu por 1 a 0 o Oeste, em Barueri, sem sofrer grandes sustos.

"Mais uma vez uma equipe com algumas mudanças. O professor está procurando a formação. É começo de temporada", desculpou-se o atacante Gustagol, do Corinthians. "Fizemos uma grande partida. Agora teremos pela frente um clássico importante e difícil", comentou o atacante Felipe Pires, autor do gol da vitória palmeirense em entrevista ao Premiere.

A equipe alviverde controlou a partida ao precisar somente ser eficiente e mandar para as redes uma das poucas chances claras de gol. A maior dificuldade do Palmeiras foi enfrentar a violência e o excesso de faltas dos jogadores do Oeste. 

O Palmeiras apostou na estreia de Raphael Veiga e em um começo de jogo com pressão à defesa adversária. No entanto, essas apostas aos poucos deixaram de dar resultado. Depois de Dudu quase fazer um gol aos sete minutos, o time errou muitos passes no ataque e se posicionou de forma muita espalhada dentro de campo.

O gol da vitória veio logo no primeiro lance do segundo tempo. A defesa falhou e Felipe Pires entrou na área para marcar. Foi o primeiro dele com a camisa do novo clube. Logo depois o Oeste quase empate. Um chute de Kanu acertou a trave.

A equipe conseguiu também poupar alguns dos principais jogadores. Dudu saiu no intervalo, Lucas Lima entrou só no segundo tempo e Borja ficou só no banco de reservas. Isso mostra o que Felipão guardou para usar no clássico de sábado.

Apesar de criar pouco, o Palmeiras controlou a partida. Na parte final do jogo o time de Felipão se mostrou satisfeito com a vantagem mínima, deixou de buscar o segundo gol e passou a esperar o tempo passar. No fim do jogo, a torcida alviverde deu o recado em Barueri: 'É dia 2'. 

A mensagem é um sinal claro da expectativa pelo encontro com o maior rival, no sábado. O clube vendeu até ontem 33 mil ingressos antecipados. 

Do lado corintiano, a proximidade do clássico é mais um sinal de alerta do que uma expectativa. O técnico Fábio Carille manteve o revezamento de titulares. As várias alterações, como Léo Santos improvisado na lateral esquerda, fizeram a equipe demonstrar pouco entrosamento e quase não levar perigo.

O titular do ataque, o argentino Mauro Boselli, demorou para pegar na bola e a partida teve poucas chances de gol. Parecia que iria ser mais um empate sem gols de dar sono ao torcedor, mas as coisas pioraram na parte final da partida.

Apenas no segundo tempo o jogo ficou movimentado, mas foi graças ao Red Bull. Ytalo aproveitou indefinição de Henrique e Cássio e mandou para as redes de cabeça. Gustagol, no fim, obrigou o goleiro Júlio César, ex-Corinthians, a fazer grande defesa. Nos acréscimos, Bruno Tubarão fez o segundo e decretou a derrota alvinegra e a pressão para o clássico. O Corinthians precisará bater o rival para não deixar o momento instável se transformar em crise.

Para Entender

Guia do Paulistão 2019: tudo o que você precisa saber sobre a competição

Corinthians, Palmeiras, Santos e São Paulo vão iniciar competição com menos de três semanas de pré-temporada

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.