Lionel Cironneau/AP
Lionel Cironneau/AP

Inocentado, Platini diz que voltará ao futebol: 'Chegou ao fim o pesadelo'

Ex-presidente da Uefa era suspeito de ter recebido R$ 7,2 mi da Fifa sem motivos aparentes

Estadão Conteúdo

26 de maio de 2018 | 12h38

Ex-presidente da Uefa e ex-vice-presidente da Fifa, o francês Michel Platini disse neste sábado que pretende voltar ao futebol. A declaração foi dada no dia seguinte em que a Justiça da Suíça inocentou o dirigente no escândalo político de corrupção no futebol internacional.

+ Iniesta é recebido com festa no Japão na chegada ao Vissel Kobe

Platini era suspeito de ter recebido US$ 2 milhões (cerca de R$ 7,2 milhões) da Fifa sem motivos aparentes. Por conta das revelações de pagamentos, a Fifa o suspendeu do futebol, pena que acabou sendo confirmada pela Corte Arbitral do Esporte (CAS, na sigla em inglês).

Por meio de comunicado, ele informou que "chegou ao fim o período de um longo pesadelo para minha família e aqueles que estão próximos a mim". Apesar de ser declarado inocente, a Fifa não retirou a punição de quatro anos ao dirigente e que tem previsão para se encerrar em 2019.

"Eu vou voltar. Onde, quando e como? É muito cedo para dizer. Mas vou voltar para o futebol", informou. "O futebol é minha vida e não dou a ninguém o direito de me privar da minha vida", declarou Platini que foi um dos principais jogadores da história do futebol francês.

Na sexta-feira, o Ministério Público Suíço disse não haver provas que incriminem Platini. O processo em que ele era acusado se referia a um pagamento feito por Joseph Blatter, então presidente da Fifa, em 2011 ao francês.

Oficialmente, a transferência se referia a uma remuneração que Platini teria de ter sido beneficiado por seus trabalhos de conselheiro da Fifa entre 1998 e 2002. Blatter, por sua vez, foi suspenso por oito anos do futebol e continua sendo investigado pelo MP.

Para a imprensa francesa, a informação do arquivamento do caso é uma "prova" de que havia um "complô" para impedir que Platini se transformasse no presidente da Fifa nas eleições em 2015, convocadas por Blatter depois do escândalo de corrupção.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.