Paulo Fernandes / vasco.com.br
Paulo Fernandes / vasco.com.br

Inquérito policial conclui fraude e eleição no Vasco pode ser anulada

Investigação agora segue para o Ministério Público do Rio (MP-RJ)

Marcio Dolzan / Rio, Estadão Conteúdo

20 de setembro de 2018 | 20h10

Dez meses após o pleito, a eleição para presidente do Vasco pode ser anulada. A Delegacia de Defraudações (DDEF) do Rio informou nesta quinta-feira que concluiu inquérito que apontou irregularidades na votação. A investigação agora segue para o Ministério Público do Rio (MP-RJ).

O caso diz respeito à famosa "urna sete" da eleição. Havia a suspeita - confirmada agora pelo inquérito - de que houve a captação irregular de sócios para participarem da eleição vascaína. A maioria deles votou naquela urna, que acabou impugnada por decisão judicial.

Se os votos fossem considerados válidos, o ex-presidente Eurico Miranda seria reconduzido ao cargo máximo do clube. Como foram desconsiderados, a vitória no pleito foi do oposicionista Julio Brant. Mas, como a eleição no clube é indireta, o conselho deliberativo do Vasco acabou escolhendo outro concorrente, Alexandre Campello.

Um funcionário do clube, apontado como responsável pelo gerenciamento de novos sócios, foi indiciado pelos crimes de estelionato e falsidade ideológica.

O Vasco informou, por meio de nota, que "a atual administração do clube vê com normalidade os avanços da investigação citada, defende de forma intransigente a ética e a transparência e apoia o trabalho dos órgãos policiais e da Justiça".

O clube declarou ainda que está à disposição das autoridades e que "o indiciado no referido inquérito policial está afastado de suas funções desde maio deste ano". O Estado não conseguiu contato com o funcionário investigado.

 

 

Tudo o que sabemos sobre:
VascoAlexandre Campello

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.