Insatisfação de Júnior com a reserva conturba o São Paulo

Júnior acabou com a tranqüilidade do São Paulo. Bastou uma declaração do lateral-esquerdo reclamando de ter ficado na reserva de Jadilson nas duas últimas partidas, contra Noroeste e São Bento, para o clima ficar pesado no clube. E justamente às vésperas de um clássico contra o Corinthians, domingo à tarde, no Morumbi. ?Estou magoado. Parece que já se esqueceram do que eu fiz pelo São Paulo em dois anos. Ninguém reconhece?, disparou Júnior, logo após a vitória por 3 a 0 sobre o São Bento, na quarta, no Morumbi. ?A gente [ele e Muricy] não teve conversa nenhuma e não pretendo procurá-lo. Só vou falar alguma coisa se ele perguntar.?Júnior resolveu desabafar depois de dois jogos consecutivos no banco de reservas - contra o Rio Claro, há duas semanas, ele nem sequer foi relacionado. A última partida dele foi contra o Santo André, na semana passada. E em quase todas as outras neste ano foi substituído durante o segundo tempo. ?Cinco ou seis jogos é muito pouco para analisar se o Jadilson é melhor do que eu. Tenho a consciência de que não joguei bem nas primeiras partidas do ano, mas o time inteiro não foi bem. Mas tranqüilo, eu estou tranqüilo?, emendou o atleta, que tem 140 jogos e nove gols pelo São Paulo.Na cabeça de Júnior, parecia estar definido que ele seria o titular nos jogos disputados à noite no Morumbi, enquanto Jadilson assumiria o posto nos confrontos no interior e disputados à tarde. Situação que se repetiu até esta quarta, quando Jadilson foi o escolhido pra encarar o São Bento.?Ele simplesmente me colocou pra jogar. Vou fazer o quê? Estou trabalhando. Todos sonham em ser titular e eu também. É normal jogador não gostar de ficar no banco?, se defendeu Jadilson, atordoado no meio de toda a polêmica. ?O Júnior é meu amigo. É nordestino como eu. Admiro muito o futebol dele; é um dos melhores laterais do mundo. Foi uma das pessoas que mais me deu força na chegada ao São Paulo.?Muricy Ramalho não gostou nada quando soube do desabafo do lateral. No entanto, guardou a bronca. ?Vou conversar isso lá com ele e não usando a imprensa. Ele tem toda a liberdade de falar o que pensa, mas não vou discutir isso com vocês [jornalistas]?, reforçou.Nesta quinta-feira, Júnior evitou contato com a imprensa e ficou o tempo todo fazendo reforço muscular no Reffis. Com a cara fechada, diferentemente da sua animação habitual. Ao contrário do recém-contratado Jorge Wagner, que, sorridente, trabalhou ao lado dos companheiros e deve ser apresentado oficialmente nesta sexta. São boas as chances de ele ser relacionado para o clássico, uma vez que sua documentação já foi registrada na Confederação Brasileira de Futebol (CBF).Borges pára três semanasDepois de deixar o gramado do Morumbi reclamando de muitas dores no joelho esquerdo, o médico do São Paulo, José Sanchez, tranqüilizou os torcedores do clube ao informar que a situação do atacante Borges não é grave. O atleta fez exame de ressonância magnética nesta quinta, no qual foi constatado um estiramento no ligamento colateral medial. Foi descartada a possibilidade de uma cirurgia no local."Foi até melhor do que esperávamos, pois do jeito que ele saiu com dor, havia a suspeita de uma lesão mais grave. Agora ele ficará em tratamento intensivo no Reffis com melhor prognóstico para seu retorno", explicou Sanchez. O camisa 17 ficará afastado dos gramados por cerca de três semanas e está fora da estréia são-paulina na Copa Libertadores da América, no dia 14, contra o Audax, em Santiago, no Chile.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.