Rafael Ribeiro/AE
Rafael Ribeiro/AE

'Insatisfeito' com arbitragem, Marin promete mudanças

Presidente da CBF disse que vai 'analisar com frieza' a atual situação da arbitragem brasileira

GLAUBER GONÇALVES, Agência Estado

21 de agosto de 2012 | 18h53

RIO - O presidente da CBF, José Maria Marin, voltou a tecer críticas, nesta terça-feira, aos erros da arbitragem do Campeonato Brasileiro e disse que pretende tomar medidas adicionais ao afastamento de Emerson Augusto de Carvalho, auxiliar que deixou de marcar três impedimentos no lance que originou o segundo gol do Santos contra o Corinthians, no último domingo, na Vila Belmiro.

O dirigente falou sobre o assunto durante evento realizado nesta tarde, no Rio, no qual a MasterCard foi apresentada oficialmente como nova patrocinadora da seleção brasileira. "Não estou satisfeito só com essa medida (o afastamento do auxiliar). Temos de dar exemplo. Não toleramos que a arbitragem não corresponde aos anseios dos dirigentes e dos torcedores", afirmou.

Marin, porém, disse que ainda não decidiu quais medidas pretende tomar para tentar melhorar o nível da arbitragem no futebol nacional. O mandatário da CBF destacou que ainda precisa "analisar com frieza" a atual conjuntura do apito no País para promover novas mudanças.

Emerson Augusto de Carvalho, que pertence ao quadro de árbitros da Fifa, terá de passar por uma reciclagem antes de voltar a trabalhar no Campeonato Brasileiro. Ele foi afastado pela Comissão Nacional de Arbitragem (Conaf) e, segundo a entidade, deverá passar por uma reciclagem.

Em uma de suas primeiras medidas como presidente da CBF, Marin anunciou, em abril, o ex-árbitro Edson Resende de Oliveira e o ex-auxiliar Aristeu Leonardo Tavares como respectivos novos corregedor e ouvidor de arbitragem da entidade. O dirigente, porém, manteve Sérgio Correa como presidente da Conaf, apesar de ter defendido, naquela ocasião, a reformulação da estrutura da arbitragem brasileira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.