Insatisfeito, Leão faz mudanças para encarar o Barueri

Mesmo vencendo o Bragantino, técnico dos Santos promove Alemão e volta de Marcinho Guerreiro

Sanchez Filho, O Estado de S. Paulo

29 de janeiro de 2008 | 19h19

Emerson Leão está assustado com a demora de alguns titulares, como Rodrigo Souto e Rodrigo Tabata, estão tendo para recuperar o ritmo de jogo, e acena com mudanças no meio-de-campo e no ataque para melhorar o Santos no jogo contra o Barueri, nesta quinta-feira, na Vila Belmiro.  Veja também: Maldonado é a nova contratação do Fenerbahçe de Zico Marcinho Guerreiro cumpriu suspensão pelo terceiro amarelo e será uma das mudanças. A outra deve ser o garoto Alemão, voltando a formar com Tiago Luís a dupla que fez sucesso na Copa São Paulo de Juniores, no lugar de Kléber Pereira. O centroavante titular ainda sente dores no tornozelo direito e tem poucas chances de ser escalado.  Adriano, com conjuntivite, por ser outro desfalque. O treinador se queixa da falta de um meia-armador para substituir Pedrinho e Petkovic que foram embora. Essa é considerada por ele a posição mais carente e principal razão para o fraco desempenho do ataque no início do Campeonato Paulista. Nesta quarta-feira, o próprio Leão apontou um dado preocupante: a equipe foi pior na vitória por 2 a 0 contra o Bragantino, domingo passado, na Vila Belmiro, do que na derrota por 3 a 1 diante do Juventus, na semana passada, em Santo André.  "Contra o Juventus, tivemos seis chances e só marcamos um gol e no domingo tivemos apenas uma oportunidade e ganhamos por 2 a 0, já que o segundo gol saiu num acidente de trabalho de Gleguer [goleiro do Bragantino]", reconheceu o treinador. Porém destacou que o resultado foi importante por ter tirado o time de uma situação aflitiva no Campeonato Paulista, além de ter sido a primeira vitória no ano, porém avisa que não há motivo para comemorações.  "O resultado não escondeu a realidade. Tivemos grandes dificuldades. Ainda bem que quando mais precisávamos, surgiu o segundo gol", disse Leão, admitindo que quando o Santos consolidou a conquista dos três pontos, o adversário já merecia o empate.  Outro jogador que vem sendo motivo de preocupação constante é Kléber Pereira. Mesmo produzindo abaixo do normal, ele é um dos titulares absolutos e que só precisa fazer um gol para sair da má fase, segundo Leão. "A ausência de Kléber [Pereira] está quase confirmada porque seu tornozelo ainda está inchado e doendo. E se não puder jogar contra o Barueri será ruim para ele que está querendo se recuperar."  No coletivo desta quarta de manhã, no CT Rei Pelé, Leão vai confirmar o time que entra em campo nesta quinta. E já avisou que não apenas Alemão - atacante de 18 anos -, como todos jogadores com contrato em vigência podem ser escalados. Quanto a Kléber, ele deixou claro que não acredita na sua saída. "A menos que até amanhã [quinta-feira] chegue uma proposta de US$ 20 milhões de um Real Madrid."  Quando assumiu, o técnico percebeu que o lateral-esquerdo era a solução para os seus problemas, em quaisquer circunstâncias. Se ele fosse negociado para o exterior, com parte do dinheiro Marcelo Teixeira contrataria dois ou três reforços. Também podia ser envolvido numa troca por dois ou três bons jogadores, como foi tentado com o São Paulo, e permanecendo é o jogador diferenciado e referência para os garotos que estão subindo, como provou no domingo, mesmo ainda estando fora de forma.  Discussão confirmada Leão confirmou a discussão com Fábio Costa na concentração do Recanto dos Alvinegros na véspera do jogo contra o Juventus. O goleiro não desceu do seu apartamento para almoçar e nem para jantar, alegando que tinha se alimentando com frutas. Mas negou que tinha havido uma forte discussão com necessidade de intervenção de terceiros e disse que se isso tivesse acontecido, o goleiro não teria ido para o jogo.  Novo nome para o gol Douglas, goleiro de 24 anos de idade que estava em experiência e assinou contrato de três anos, na segunda-feira, foi uma indicação do diretor de futebol, Luiz Antônio Ruas Capella. E teve a aprovação do auxiliar-técnico Pedro Santilli, com quem trabalhou no Sertãozinho, no ano passado. Curiosidade: Douglas já passou pelo Iraty, pequeno clube paranaense que cedeu inúmeros jogadores ao Santos quando Luxemburgo era o técnico. E nenhum vingou.

Tudo o que sabemos sobre:
Santos FCPaulistão A-1

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.